terça-feira, 9 de agosto de 2011

ADORAÇÃO E A ÚLTIMA CHAMADA







"E cantavam um cântico novo, dizendo:Tu és digno de tomar o livro, e de abrir seus selos; porque foste morto, e com o teu sangue compraste para Deus homens de toda a tribo, e língua, e povo, e nação." Apocalipse 5:9

Adoração é o tema no qual tenho trabalhado nos últimos vinte anos. Mais do que um tema, adoração me desafia a um estilo de vida que é próprio dos filhos de Deus, conforme João 4:23: Mas virá a hora, e de fato já chegou, em que os verdadeiros adoradores adorarão o Pai no Espírito e em verdade: porque são esses os adoradores que o Pai procura”. Os princípios bíblicos que tenho aplicado a minha vida, têm gerado profundas experiências que me levam a querer conhecer mais sobre o assunto. Como fruto desta busca, quero compartilhar algumas descobertas preciosas feitas no livro do Apocalipse.

DUAS LINHAS: ADORAÇÃO E JUÍZO

Para entender um pouco melhor Apocalipse, é interessante notar duas situações que se repetem constantemente ao longo do livro. Uma delas refere-se a adoração, seja no céu seja na terra. A outra trata dos juízos divinos sobre a terra, os homens, etc. Por exemplo:

"Os vinte e quatro anciãos prostravam-se diante do que estava assentado sobre o trono, e adoravam o que vive para todo o sempre; e lançavam as suas coroas diante do trono, dizendo:

Digno és, Senhor, de receber glória, e honra, e poder; porque tu criaste todas as coisas, e por tua vontade são e foram criadas". Apocalipse 4:10-11

"E foram soltos os quatro anjos, que estavam preparados para a hora, e dia, e mês, e ano, a fim de matarem a terça parte dos homens". Apocalipse 9:15

A adoração é ministrada diante do trono, ora pelos quatro seres viventes e os vinte quatro anciãos, ora por um incontável exército de anjos, ora por homens de toda tribo, língua, povo e nação. O registro bíblico sugere-nos um momento único, jamais imaginado por qualquer um de nós, de extrema beleza e glória, quando toda criatura que há no céu, e na terra, debaixo da terra, e no mar oferecem estrondosa adoração àquele que está assentado no trono e ao Cordeiro Jesus!

Quase que paralelamente à adoração segue a linha dos juízos, culminando no capítulo vinte com o juízo final.

LEÃO: SÍMBOLO DE AUTORIDADE

"E eu chorava muito, porque ninguém fora achado digno de abrir o livro, nem de o ler, nem de olhar para ele. E disse-me um dos anciãos: Não chores: eis aqui o Leão da tribo de Judá, a Raiz de Davi, que venceu, para abrir o livro e desatar os seus sete selos."

Apocalipse 5:4-5

Tento me colocar no lugar do apóstolo João diante de tantas revelações e da grande responsabilidade de registrar tudo o que via e ouvia, sem descartar as fortes emoções que certamente o acompanhavam a cada instante. No caso do texto acima, nosso herói "chorava muito por não haver alguém digno de abrir o livro". Deve ter sido um momento de intensa frustração e desespero... Por fim, um dos anciãos consola João anunciando ao Senhor, simbolizado na figura de um leão - o Leão da tribo de Judá - representando governo e autoridade, que ao vencer todos os inimigos, tornou-se o único ser no universo digno de abrir o livro! Que maravilhoso deve ter sido para João o soar daquele anúncio... Talvez seria como voltar no tempo e contemplar o triunfo da cruz. Não podemos nos esquecer que este Senhor poderoso venceu a todos os inimigos na cruz, como "leão". Quanto mistério há na cruz... Pois nela Jesus venceu tanto como cordeiro, quanto como leão. Diante destes inimigos abaixo, sua postura foi a de um leão implacável:

ü o pecado

ü a carne

ü a velha natureza

ü a lei

ü o mundo

ü as doenças

ü o diabo

ü principado e potestades

ü outros mais

Após vencer na cruz, ao terceiro dia Jesus ressuscitou e ascendeu aos céus. E os portais eternos se abriram para a chegada do Rei da glória, o Senhor forte e poderoso na batalha que vive para sempre e tem toda autoridade no céu e na terra!

Pr. Adhemar de Campos

sexta-feira, 5 de agosto de 2011

MINISTRAÇÃO NO CULTO - 1


I - O valor do culto
:

I Pedro 2:5: “E agora vocês também se tornaram pedras vivas para Deus utilizar na edificação da sua casa espiritual. Vocês são os seus sacerdotes santos, por isso ofereçam sacrifícios espirituais agradáveis a Deus, por meio de Jesus Cristo”.
Mateus 4:10b: “...adore somente o Senhor, o seu Deus. Sirva somente a Ele (preste culto somente a Ele)”.

Comumente, o culto inicia-se com a adoração. Por que? Prestar culto é reverenciar, homenagear. Lembre-se: Não saímos de casa aos domingos para uma reunião; saímos para um culto.

O texto de Mateus indica que o culto deve ser prestado a Deus, começando pela adoração. Assim, há dois momentos importantes no culto: a) momento de adoração – direcionado a Deus, e, b) momento da pregação da Palavra – direcionado ao homem.

O culto tem que ser um tempo de grande celebração ao Senhor. Os envolvidos precisam lembrar-se de que a finalidade da reunião é para celebrar o milagre da ressurreição de Jesus, da nova vida em Cristo, da comunhão no Espírito e das conquistas espirituais.

II - Preparação dos ministros

II Timóteo 2:15: “Procura apresentar-se aprovado diante de Deus, como obreiro que não tem de que se envergonhar, que maneja bem a palavra da verdade”.(Bíblia Viva: Seja um bom obreir, um obreiro que não precisa ficar envergonhado quando Deus examina o seu trabalho e que ensina corretamente a palavra da verdade).

a) Preparação no aspecto espiritual: Espiritualmente, o ministro de louvor se prepara através da oração e leitura bíblica diariamente.

A partir do mês de julho de 2011, para facilitar a leitura bíblia diária, serão disponibilizados neste blog, textos bíblicos diariamente. Aconselho que a leitura seja antes de vocês começarem as suas lidas diárias, e que seja acompanhada de oração.

Esta preparação diária é muito importante. O hábito da leitura da Bíblia seguida de oração, criará um diferencial amplamente visível em todas as áreas de sua vida, e, quando você vier para ensaiar ou tocar nos cultos, você será o canal que Deus usará para tocar seus filhos, manifestar seu poder e glória. Você será tremendamente abençoado!

O jejum semanal – lembrando que tem que haver um propósito para jejuar -, também será de grande valia para o aspecto espiritual.

Outra forma de preparação espiritual é a oração e compartilhamento entre o grupo.

b) Preparação no aspecto musical: no aspecto musical é preciso realizar ensaios para que haja entrosamento.

Todo ensaio deve ser iniciado com um texto bíblico e oração.

Todos nós sabemos quão precioso é nosso tempo. Estamos conscientes do valor que o tempo tem e como ele passa depressa. Para que ensaio seja produtivo é necessário:

1 – ter local e dia definidos – O local, em nosso caso, é a igreja, e o dia escolhido, é domingo às 16h30.

2 - ter uma lista definida de cânticos - quando forem novos, as cifras deverão ser providenciadas, bem como a letra que será disponibilizada para o povo.

3 - manter a ordem no ensaio – as distrações, brincadeiras e conversas paralelas que são verdadeiros "ladrões de unção".

4 – ter total concentração durante o ensaio - estar atento às orientações, arranjos, rítmica, métricas, etc;

Local e dia definidos, cânticos selecionados, ordem e concentração nos ensaios são extremamente importantes denotam compromisso e seriedade, lembrando que o tempo do ensaio deve ser também um tempo de ministração, isto quer dizer que no ensaio, Deus dará uma prévia para os ministros, do que fará no culto.

terça-feira, 8 de março de 2011

SE O FARDO É LEVE PORQUE ESTÁ PESADO ?(**)


I João 5:1-4.

É pesado servir a Deus? A grande verdade da vida cristã é que não é pesado servir ao Senhor, pelo contrário, é motivo de alegria e prazer. João disse que os mandamentos do Senhor não são penosos. Por vezes até pensamos que os mandamentos de Deus não são penosos, mas não servem para nós.

Por outro lado, muitos se sentem pesados, cheios de cargas e estão cansados de servir a Deus, pensam que é muito duro e difícil ser um cristão. Mas Jesus disse: "O meu jugo é suave e o meu fardo é leve" (Mt 11:30).

Meditar na Palavra de Deus, orar e envolver-se na obra do Senhor tem sido um prazer para nós ou uma obrigação religiosa? A vida cristã se compõe basicamente de 5 fases. Todos nós, mais cedo ou mais tarde, passaremos por estas 5 etapas:

1- Descobrimento. É quando a pessoa descobre a Bíblia e a mensagem do evangelho.

2- Paixão. É quando a pessoa está apaixonada pela Bíblia, não perde nenhum culto, coloca adesivo no carro, escuta somente CDs de mensagens e músicas cristãs.

3- Realismo. É quando a pessoa se decepciona com os irmãos da igreja, quando estes demonstram erros e falhas.

4- Acomodação. É quando diante de tudo o que a pessoa vê, ela se acomoda. Ela já conhece alguns versículos bíblicos, sabe o momento de orar, ofertar, louvar, enfim, se torna religioso.

5- Obrigação. É quando a pessoa vai à igreja para não ser "cobrada" por seus líderes, ou por medo de Deus, achando que Ele poderá trazer castigo.

Em qual fase estamos? Temos então dois desafios: Quando os mandamentos de Deus se tornam penosos para nós? Como podemos viver uma vida cristã sem peso?

Quando os mandamentos de Deus se tornam penosos para nós?

1- Quando a religião impõe exigências que não tem nada a ver com Deus.

A religião coloca sobre nós exigências que nem o próprio Deus requer. O resultado é que a carga religiosa se torna mais pesada do que deveria ser. É por isso que acabamos morrendo na nossa paixão.

Muitas exigências dentro das igrejas não têm nada a ver com Deus. São meros mecanismos humanos de afirmação do poder religioso, ou seja, o pastor que se firma na sua autoridade com exigências que não tem nada a ver com Deus. Perdemos tempo discutindo besteiras, usos e costumes, se podemos ou não utilizar bateria no louvor, se podemos ou não bater palmas durante os cânticos etc. São tantas leis e exigências que chega um ponto da vida cristã que já não sabemos mais se é bom ou ruim servir ao Senhor.

2- Quando a religião desenvolve um sistema para agradar a Deus na base da causa e efeito.

Entendemos Deus da seguinte maneira: "Se você fizer tal coisa, você terá a sua recompensa, para o bem ou para o mal". Temos um conceito de Deus como um criador que criou leis invioláveis, e aquele que cumprir as leis será abençoado, mas quem deixa de cumpri-las receberá maldição. Desenvolvemos um conceito de religião muito policiado, em outras palavras, Deus se torna um supremo fiscal da nossa vida e um Deus impessoal. Então pensamos que se falharmos na vida, virá castigo e morte para nós. O resultado é que passamos a cumprir os mandamentos por medo e não com alegria.

Uma das grandes verdades bíblicas é que temos um Deus que é muito mais amoroso do que guardador da lei. Ele é muito mais guardador de rebanhos do que guardador de livros. Ele é muito mais guardador de vidas do que guardador de preceitos. Então obedecemos a Deus não por medo, mas porque descobrimos um cuidado dele para com a nossa vida.

Deus é mais amoroso do que consistente. Muitas vezes Deus voltou com a sua palavra em nome do amor. Exemplos: Deus ia destruir Nínive, mas o povo se arrependeu e Deus voltou atrás com a sua palavra. Jonas se irritou com Deus, mas o amor de Deus foi maior que a sua promessa. Jesus esteve com uma mulher Cananéia e ela queria que ele atendesse a sua necessidade, mas o Senhor disse que não atenderia porque não poderia dar o pão dos filhos (judeus) para os cachorros (gentios). Ela insistiu pelas migalhas, então Jesus voltou atrás e atendeu a necessidade daquela mulher. Então, não precisamos obedecer a Deus por medo da lei, pois Ele joga fora a lei em nome do amor.

3- Quando olhamos para Deus muito mais como um Juiz do que como um Pai.

Desenvolvemos um conceito de juiz que não é o conceito hebraico, e sim o conceito de juiz grego e romano que são como os nossos juízes de hoje. O juiz hebraico era o patriarca e pai muitas vezes. Quando ia julgar uma causa, o juiz além de ser juiz era também um pai. Temos dificuldades em obedecer às leis de Deus porque entendemos que elas vêm de um juiz e não de um pai. Por que se torna pesado para nós servir a Deus? Por que ninguém gosta de leis e nem de ser mandado.

Vivemos numa sociedade onde as leis são feitas no congresso, então surgem os impostos. O imposto é uma imposição, é uma lei que surge de cima para baixo e temos que "engolir" e obedecer. Pensamos que as leis de Deus também são assim: "impostos". As leis de Deus não são uma imposição, mas é mais um conselho de um pai. Exemplo: Quando um médico diz para uma pessoa que tem câncer para ela não fumar porque poderá se prejudicar, isso não é uma imposição, é mais que isso, é um conselho.

Obedecemos ao Senhor não porque é uma imposição ou obrigação, mas porque temos um pai que deseja o nosso bem e nos alerta com amor sobre os riscos que podemos correr. Infelizmente vemos o Senhor como um juiz austero e duro que passa leis que nos são impostas, e não como um pai amoroso que deseja o nosso melhor.

4- Quando criamos mecanismos de defesa que desenvolvemos em nós mesmos.

Quando nos protegemos daquilo que somos fracos acabamos exigindo mais dos outros. Por exemplo, o que ora muito e trabalha pouco é impaciente com o que trabalha muito e não ora e vice-versa. Os nossos níveis de exigências se tornam cada vez mais intolerantes e nos tornamos menos misericordiosos. O resultado disso é que os nossos relacionamentos se tornam cada vez mais problemáticos, pesados e por isso muitos dizem que é difícil servir a Deus.

Como podemos viver uma vida cristã sem peso?

1- Nascendo de novo (vs. 1).

Precisamos ter uma nova experiência com Deus, nascer de novo. Nossa natureza precisa ser resgatada e restaurada no poder do Espírito Santo. O apóstolo Paulo declarou: "Como está escrito: Por amor de ti somos entregues à morte todo o dia; Somos reputados como ovelhas para o matadouro" (Rm 8:36). Temos que nascer de novo todos os dias e sermos gerados pelo Espírito Santo de Deus todos os dias, e se não for assim a vida cristã ficará pesada, porque estaremos vivendo com valores passados numa nova realidade de vida. Não adianta colocarmos remendos numa nova realidade, colocarmos vinho novo em frascos velhos, mas o frasco precisa ser regenerado, remodelado e refeito.

O nosso grande problema é que tivemos uma experiência com Deus, mas essa experiência ficou para trás e não estamos mais no processo diário e contínuo de nascermos de novo no poder do Espírito Santo de Deus. A restauração da nossa natureza aos propósitos iniciais de Deus é o que torna os mandamentos leves.

2- Amando a Deus (vs. 2 e 3).

O amor torna tudo leve. Como podemos agradar a Deus? Dedicando tempo com Ele e não fazendo nada que saibamos que está errado, então agradaremos a Deus.

Quando amamos alguém ou alguma coisa tudo se torna leve, mas quando não amamos tudo se torna um desastre. O que é que Deus requer de nós? Que o amemos. "Amarás, pois, ao Senhor teu Deus de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todo o teu entendimento, e de todas as tuas forças; este é o primeiro mandamento" (Mc 12:30). "Aquele que tem os meus mandamentos e os guarda esse é o que me ama; e aquele que me ama será amado de meu Pai, e eu o amarei, e me manifestarei a ele" (Jo 14:21).

Quando amamos a Deus o nosso servir a Ele se torna leve. "Oh! quanto amo a tua lei! É a minha meditação em todo o dia" (Sl 119:97). "Deleito-me em fazer a tua vontade, ó Deus meu; sim, a tua lei está dentro do meu coração" (Sl 40:8).

3- Confiando no caráter de Deus (vs. 4).

Quando falamos sobre a fé, temos que entender que existem diversas dimensões: a fé que move montanhas, a fé que se confunde com esperança, a fé que ajuda o próximo, a fé que se confirma em obras, a fé que espera, e a fé que descansa no caráter de Deus. A única dimensão de fé que torna o nosso servir a Deus leve é a fé que descansa no caráter de Deus. Esta é a fé que vence o mundo e torna os mandamentos de Deus não penosos.

Quando Deus nos pedir alguma coisa, se não tivermos confiança no caráter dele, se não crermos que aquilo que nos pediu será para o nosso bem e uma proteção sobre a nossa vida, então iremos encarar essa orientação como uma "cobrança" e o nosso servir a Deus se tornará pesado. Mas se descansarmos no caráter de Deus, as orientações que Ele nos der não as receberemos como "cobranças", e sim entenderemos que Ele nos ama, que tem o melhor para nós e não quer nos ver destruídos e derrotados.

Por que andamos irriquietos? Por que os mandamentos de Deus se tornaram penosos para nós? Porque ainda não aprendemos a descansar em Deus. "Porque desde a antiguidade não se ouviu, nem com ouvidos se percebeu, nem com os olhos se viu um Deus além de ti que trabalha para aquele que nele espera" (Is 64:4). "Entrega o teu caminho ao Senhor; confia nele, e ele o fará" (Sl 37:5). O nosso grande problema é que tomamos as responsabilidades que são de Deus e tentamos resolver com as nossas próprias forças, então a nossa vida se torna uma desgraça e um desastre porque não confiamos no caráter de Deus.

Fé é descansar em Deus durante o tempo que for necessário. Qual é o maior aleijão que uma pessoa pode ter na vida? O medo. Qual é o melhor momento da nossa vida? É o agora. Qual é o maior erro que podemos cometer? É desistir. Qual é o maior inimigo que temos? Somos nós mesmos. Qual é a maior facilidade que temos? Criticar os outros. Qual é a maior necessidade que precisamos ter? O bom senso. Qual é o maior dom que podemos herdar de Deus? O perdão. Qual é a maior descoberta? É o caráter de Deus que nos ajudará a descansar que Ele nos levará até o fim da jornada e dará a coroa da vida aos que o amam. Os mandamentos do Senhor não são pesados!

"A lei do Senhor é perfeita, e refrigera a alma; o testemunho do Senhor é fiel, e dá sabedoria aos símplices. Os preceitos do Senhor são retos e alegram o coração; o mandamento do Senhor é puro, e ilumina os olhos. O temor do Senhor é limpo, e permanece eternamente; os juízos do Senhor são verdadeiros e justos juntamente. Mais desejáveis são do que o ouro, sim, do que muito ouro fino; e mais doces do que o mel e o licor dos favos" (Sl 19:7-10).
(**) Texto de Ronaldo Bezzerra
Autorizado pelo autor para os Blogs:
http://www.saravanelli.blogspot.com/
http://www.pastorvanelli.blogspot.com/









































































sábado, 5 de março de 2011

NA RETA DA CURVA DO “S”


O título parece um tanto paradoxal, mas é pura realidade. Estes dias atrás via uma expressão, uma interrogativa na internet numa rede social da nossa amada irmã Jussara da Igreja Batista Boa Novas: “o que será que vou fazer no feriado de carnaval?” Tomei a liberdade de tecer ali um comentário. “Eu sei o que vou fazer no domingo de carnaval, dia 06 de março, vou fazer o que nunca fiz “60 anos”. Pois então, parece que foi ontem que disse isto, mas agora é a hora. Daqui a algumas horas, estarei pela graça de Deus completando 60 anos de uma vida abençoada.

Há 60 anos, no dia 06 de março de 1951 eu recebia do Criador a ordem da vida. Sessenta anos, uma trajetória marcada por tantas batalhas travadas, mas também, uma carreira de conquistas e vitórias. Além da minha vida em família, trabalho, estudo e educação dos filhos, ainda recebí o privilégio do chamado de Deus para o ministério. A cada dia passado junto ás lidas da vida, pude sentir a mão do Deus cuidando de mim, de minha família e da igreja que o Senhor me confiou.

Confesso me emocionado porque é a primeira vez que completo 60 anos, porque ninguém possui a faculdade de ver à frente, mas posso dizer que sei tudo que já aconteceu. Ví Deus atuar com fidelidade apoiando a mim e minha família, mas hoje, tenho a sensação que há muito ainda pela frente a fazer.

Posso falar da minha gratidão a Deus por tudo o que me propiciou nestes 60 anos, mas está patente que do que foi feito até hoje ainda é muito pouco, porque daqui para frente vou entrar no abundante de Deus. Também é verdade que no decorrer de todos estes anos, minha vida foi tremendamente marcada por situações das mais diversas. As incompreensões, as ingratidões, e outras situações amargas que atingiram a mim e a minha família, visando levar-me a um retrocesso, mas a cada dor, a cada mágoa, despojei-me delas em local apropriado: o altar de Deus. Desde que assim procedí, tenho feito de cada investida do inimigo, um impulso para gozar cada vez mais a proteção do Senhor Jesus, e dessa forma refleti-la em meus atos e vida cotidiana.

Por isso hoje, agradeço a minha família que tem sido o meu forte estímulo para até aqui chegar. Aos meus filhos pelo companheirismo, apoio e obediência às determinações que lhes passei. Às ovelhas da Missão Paz e Vida em Mogi Guaçu a minha gratidão por suportar-me por tanto tempo debaixo do mesmo teto, porém, juntos fizemos o louvor e a oração romper os céus de bronze desta cidade e chegar até o trono de Deus.

Tenho vislumbrado a cada momento ver concretizado o sonho de uma família que é ícone na sociedade que vivemos, de um rebanho com ovelhas atiradas nos projetos de Deus, patenteando assim o sinal de que o caminho trilhado até aqui por tanto tempo está na direção certa.

Sou muito grato à pastora Sara, minha esposa, filhos e família que formam a mola propulsora para que eu entrasse na curva do “S”. De igual a forma a minha igreja que sempre me cobriu de amor por todos estes anos. Aos que ficaram obrigado pela fidelidade, aos que foram obrigado pela amizade e consideração que me tornam um exponencial de uma geração a serviço do Senhor.

Aos amigos, colaboradores e investidores no meu chamado obrigado, vocês semearam em terra fértil, portanto, preparem para a excelente colheita.

E agora é um novo tempo. Um tempo de crescer.



domingo, 20 de fevereiro de 2011

QUANDO TOMAMOS A DECISÃO CERTA, DEUS TORNA O SONHO EM REALIDADE


Quando a gente é pai, a visão que temos sobre os filhos é unilateral, ou seja, os vemos dentro do contexto da família original, amamos, acompanhamos, educamos e os assistimos com todo empenho, mas quando chegamos a condição de avô, a ótica muda diametralmente, porque agora já temos uma perspectiva da família que se estendeu, cresceu e caminha como segmento das origens, e então ficamos como a “coruja no toco” gabando e com atenção redobrada aos filhos dos filhos. Segunda feira quem veio passar a tarde com o Vônelli? Sophia, a sábia netinha dos olhos azuis. É lógico que todos os meus netos são lindos e amo estar com eles, mas o fato de segunda feira envolvendo a Sophia me inspirou para caminhar nesta postagem.

Veja, ver televisão é uma coisa, mas assistir um dvd evangélico infantil é outro departamento. A Sophia estava assistindo a história de Samuel, atenta como ela só. E fiquei observando as reações dela diante das cenas que iam surgindo quadro a quadro. E por causa disto, acabei por me embrenhar na história de Samuel e pus-me a pensar sobre o nascimento deste tão importante profeta.

Para chegar no nascimento de Samuel, tive que me esbarrar no histórico da sua vida inicial e então entra aí personagens como Elcana, Ana e a tal Penina. Li demoradamente acerca do nascimento de Samuel, meditei e ponderei o capitulo 1 de I Samuel, mais especificamente nos versículos 1 a 10, e numa segunda consideração os de número 19 e 20.

O texto é muito elucidativo acerca da família de Elcana, mostrando inclusive as dificuldades experimentadas, mas, de forma tão especial também as bênçãos alcançadas.

A narrativa acerca de Ana é um clássico de como é possível alcançar um milagre se houver perseverança na fé e dirigir-se a Deus independente das provações e provocações. A benção de Deus era companheira de Ana diuturnamente, mas ela amargava a dor de ser estéril, de não poder ter filhos, mas nem esta mágoa e vergonha levou-a desistir da tentativa de vencer o obstáculo da sua esterelidade.

Ela podia contar com o seu esposo Elcana, que além de amoroso, era muito temente a Deus e tinha por costume de anualmente ir oferecer adoração e sacrifícios ao Senhor. Não obstante a sua vida espiritual, Elcana tinha sério problema dentro de casa com uma outra companheira de nome Penina, pois isto tornava difícil o relacionamento, porque Penina, apesar de uma mulher abençoada, ela se portava como um instrumento de tristeza e ferimento para Ana.

A Bíblia fala que Penina provocava a Ana continuamente a fim de irritá-la porque não tinha filhos. Isso acontecia ano após ano. Mesmo Ana subindo de contínuo a casa do Senhor para adora-lo, sua rival a provocava e Ana vivia aos prantos e não comia.

Qual é a nossa reação quando enfrentamos problemas de relacionamentos mesmo com nossos irmãos? Será que agüentamos um ano? Ou já deixamos o lugar que congregamos em busca de um ambiente melhor? Ana muito nos ensina com sua persistência. Ela independente do problema físico tinha ainda que suportar o desafeto de uma mulher que convivia com ela . Será que nós suportaríamos? Qual seria a nossa atitude? Como reagiríamos diante de uma mulher que pratica indelicadezas fundamentada em um problema físico que poderíamos vir a ter?

Muitas vezes o nosso problema acaba tirando o foco principal do intento que temos para com Deus, queremos dar o melhor para Deus, mas nos estribamos nas limitações e problemas e acabamos fazendo como Ana. Ela subia anualmente para adorar a Deus, mas punha a sua esterilidade na frente do seu estímulo de adorar.

Em vias de regra quando nos deparamos com problemas, acabamos por fazê-los maiores do que realmente eles são, e desfocamos os nossos olhos das maravilhosas bênçãos que Deus disponibiliza para nós. Era justamente isto que acontecia com Ana. Ela tinha um marido amoroso e cheio de bondade, sendo muito cuidadoso com sua esposa e cheio de amor, além de temer a Deus, e anualmente Elcana levava Ana até Silo para a adoração. Considerando este conjunto de fatores, vemos o quanto abençoada era esta mulher, mas ela tinha ainda um problema na vida a vencer: a sua esterelidade.

E qual seria então o caminho para que Ana obtivesse a vitória sobre o dilema que a afligia? Tomar decisão.E Ana decidiu que o problema que até então parecia insolúvel, poderia ser mudado com a intervenção sobrenatural de Deus. Toda decisão implica em uma ação, ou seja, fazer algo no reino físico, para que seja efetivado no espiritual. O versículo 10 do capítulo 1 de I Samuel declara “e levantou-se Ana, e, com amargura de alma, orou ao Senhor, e chorou abundantemente”.

Ana e Elcana haviam chegado mais uma vez em Siló para adorarem ao Senhor, se alimentaram, e logo após ela toma esta atitude. O versículo 11 diz que ela fez um voto ao Senhor, que se Ele concedesse a ela um filho, ela o daria a Eler por todos os dias da sua vida.

Que voto bem fundamentado, que postura corajosa, uma mulher decidindo que o fruto do seu ventre seria um varão separado para o Senhor. Muitos dos nossos sonhos são abortados quando ainda estamos gerando, porque alcançado a benção, começamos a rever o que iríamos fazer com eles, talvez o Senhor se contentasse em usufruir do sonho apenas no domingo, quando fossemos a igreja.

Lembro me de uma pessoa que aproximou se de mim certa vez e disse:”pastor, tenho um sonho de ter um veiculo especial, que eu pudesse usá-lo a serviço da obra de Deus”, logo fui dizendo, querido Deus não lhe pediu nada, sim, completou ele, “mas eu quero fazer assim”. Oramos ali juntos, fizemos um decreto e a oração de concordância. Não muito tempo depois, lá estava! Que  maravilha de veiculo! Era o que tinha de melhor na época. Passado um bom tempo, tinha um carro chique, destes de fazer babar nas proximidades da igreja, perguntei ao diácono de plantão, de quem é? E ele respondeu: “ o abençoado trocou aquele veículo que usava na obra por este carrão”. Subi para o púlpito aquele dia com uma dor tremenda no peito, esperei por uma justificativa, o tempo passou e nada. O filho do sonho, havia sido abortado, e nunca mais aquela vida foi a mesma.

Por isso falei que Ana fez o voto certo. O meu filho Senhor te servirá todos os dias da sua vida, e ele será Seu. Preste atenção não estou dizendo aqui que vivemos um tempo onde se faz votos para conquistar isto ou aquilo. Um voto só deve ser feito se houver um pedido de Deus. Lembra de Paulo em Atos 18:18? Por que um homem daquele teria que fazer um voto? Não havia razão e isto gerou implicações.

Mas voltando a Ana, e como fez ela este voto? Derramou se na presença do Senhor demoradamente(v.12). Justamente, e demorava não porque Deus dependeria do tempo gasto na oração, na adoração para atender lhe o pedido, mas porque era a primeira vez que ela entrava na presença do Senhor com um espírito decidido. Ela se posicionara que doravante não seria mais uma mulher atribulada, sofredora e cheia de impossibilidades.

Sua decisão, declarava que daquele momento em diante ela seria o receptáculo do milagre de Deus. Sua forma de pedir foi tão diferente, pois ela colocou a alma neste negócio, que até o sacerdote teve a por embriagada.

Tem gente que tem medo de se expor diante de Deus e dos homens para alcançar o seu intento, o seu sonho, o desejo do seu coração, então prefere manter o garbo, a postura, o estilo, e então o sonho vai ficando sempre para o futuro, para mais tarde. Ana entregou se ao que queria, decidiu buscar, tomou o nome de bêbada, mas, o mesmo que lhe disse isto, depois de aferir a sua convicção do que buscara, teve que declarar:”vai em paz, e o Deus de Israel te conceda a petição que lhe fizeste.”(vs17).

O que te aflige amado leitor? Você tem tido uma ótica somente sob o prisma dos impedimentos que o diabo lhe mostra? Você tem sobre a sua vida uma Penina que só lhe fere, que só lhe abate, dizendo que a benção não é para você? É hora de tomar uma decisão certa. Faça como Ana, tome um posição tão forte no reino terrestre que abale o reino espiritual, e o seu sonho se tornará realidade. Demore se em adoração, não olhe para os lados, não se preocupe com os que te observam, extravase-se em seu espírito diante do Pai, gere o sonho, cuide dele, não o aborte, e Deus lhe dará o seu Samuel. Por causa da sua decisão, a de andar com Cristo, Deus tornará o seu sonho em realidade.


quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

NA PRESENÇA DE DEUS, ELE NOS DÁ DO QUE TEM.



Uma das musicas de Marcos Witt, gravada em 1994, sempre mexeu com o meu coração. "Temprano yo te buscaré". Uma canção linda, mas que abre o versejar deste salmista tão empenhado na musica evangélica com uma das frases de maior sentido para o cristão: a busca de Deus logo pela manhã, conforme o Salmo 63.

E é sobre isto que quero falar hoje, não necessariamente sobre a hora da busca de Deus, mas de um tempo para buscar a Deus, estar a sós com Ele. Isto é muito importante para a vida cristã. Nenhum crente pode estar bem sem uma conversa pessoal com Deus diariamente. Jesus é um exemplo claro disto. Em Lucas capítulo 11.1 Ele estava orando em um certo lugar. Seus discípulos aguardam o para lhe fazer uma petição, mas o fato principal é que o Mestre tinha sempre um tempo separado para uma intimidade com o Pai.

Aquela atitude de Jesus em estar em separado para uma conversa com Deus fala de quanto é importante um período reservado para estar a sós com o Pai. Geralmente sempre que passamos um período na presença do Senhor, nossas atitudes pós oração são mais acertadas, as nossas decisões tem mais peso, porque saímos da presença de Deus com convicções de que as escolhas a serem feitas tem o sim e o amém Dele.

Jesus passou uma noite toda orando para de manhã escolher os seus discípulos, então isto nos fala de sempre o que está por trás de um bom relacionamento com o Pai, de um tempo separado com Deus, alcançaremos melhores resultados nos nossos intentos diários. Além disso, pessoas sob nossa influência acabam por também ansiarem pela experiência, partindo do fato que acabam nos vendo ou sabendo da nossa vida de oração. Isto aconteceu com os próprios discípulos de Jesus que atentando para os seu costume de orar, assim também desejaram aprender e praticar, tanto que esta era a petição que fizeram ao Senhor: ensina-nos a orar.

O livro de Atos dos Apóstolos narra um experiência fenomenal que os cristãos experimentaram, porque estando a igreja reunida em oração obtiveram um resultado inexplicável. Atos 4:24-30 fala do clamor à Deus de um povo que estava na sua presença. A intimidade da igreja reunida com Deus acabou por desatar uma unção sobrenatural, através da resposta do Senhor àquela oração feita naquele lugar. ”Tendo eles orando, tremeu o lugar onde estavam reunidos; todos ficaram cheios do Espírito Santo e, com intrepidez anunciavam a palavra de Deus. (Atos 4:31). É válido fazer um curso de oratória ou retórica sagrada, lembro me do especialista nesta matéria, Dr. Dario Sallas do Chile, mas só o curso nada valerá, é preciso amar ficar a sós com Deus.

A recompensa em amar a comunhão com Deus acaba trazendo resultados tremendos, como ficar pleno do Espírito Santo. O texto de do segundo capítulo de Atos fala de algo maravilhoso: “ Ao cumprir se o dia de Pentescostes, estavam todos reunidos no mesmo lugar;...e todos ficaram cheios do Espírito Santo e passaram a falar em outras línguas, segundo o Espírito lhes concedia que falassem”.(At 2:1-4). Este ficar a sós com Deus acabando gerando uma espécie de introspecção avaliativa do que estamos cheios, e então somos impelidos a limpar a área para que o Espírito encha em plenitude o espaço até então ocupado por tantas coisas que não procedem do Senhor. O homem comandado pelo natural, que não abriu a cancela do coração para a entrada do cavalheiro Espírito Santo está carregado de problemas (Pv 12.21), tristeza (Jo 16:6), Inquietação (Sl 88.3), bebida (Ez 23.33), caminhos pessoais (Pv 14:14) e trevas (Lc 11.34-36).

É sempre fascinante a experiência de estarmos em um culto onde há manifestação do poder de Deus, e vemos irmãos trazendo eloquentes pregações, outras rompendo em louvores e adoração, pois isto retrata gente que extravasa tudo o quanto se encheu na presença do Pai, mas não podemos viver de assistência, temos que nos envolver também.

Lembro me quando ainda pequeno, meu pai todos os dias à tarde ele nos chamava na sala, éramos em quatro irmãos e ele nos perguntava como foi o dia, o que tínhamos feito, etc. Ele nos falava coisas edificantes e finalmente enfiava a mão no bolso e tirava uma ou duas balas brancas de coco(zanovello, uma bala famosa de Itapira-SP), e nos dava. Eram poucas balas, mas era tudo o que ele tinha.

Assim é quando ficamos na presença do Pai, Ele nos dá tudo do que Ele tem. Há uma passagem da bíblia que não me canso de pensar nela e seu resultado. Um homem que tirou tempo fará ficar na presença do Senhor e depois de 40 dias desce do monte com o rosto brilhando. Moisés recebe um pouco da gloria que Deus tinha e seu rosto resplandecia, mas ele não sabia do fulgor que envolvia sua face. Toda transformação, unção, poder e posse das promessas de Deus para a nossa vida, é resultado do tempo que passamos na presença de Deus.

Deus é garladoador dos que o buscam, e está interessado que cada servo seu seja um instrumento em suas mãos, mas isto só é possível mediante do investimento em tempo aos pés do Senhor. Temos por principio dizimar corretamente os valores que recebemos, mas quase sempre esquecemos de dizimar o tempo de vida diária, 1.440 minutos de vida o Senhor nos dá todos os dias, e Jesus na sua infinita graça acabou fazendo um desconto violento quando reunidos com os seus discípulos e os apanhou dormindo e lhes disse:”Nem uma hora sequer vigiaram comigo?”(M6 26:40

As grandes coisas, mistérios ocultos que não sabemos podem ser anunciados pelo próprio Deus àqueles que o invocar, conforme narra o profeta Jeremias, capitulo 33.vs. 3. Agora é a hora, buscai o Senhor enquanto se pode achar. Tire um tempo para ficar com Deus e receba dele tudo o que Ele tem.

Então, quer seja pela manhã como diz a musica de Marcos Witt, ou em seu horário oportuno, separe um tempo para ficar com Deus e desfrute das delicias da sua presença.

sábado, 29 de janeiro de 2011

LEVANDO A LUZ NOS LARES DE MOGI GUAÇU


O nosso ano de trabalho da igreja fora das quatro paredes começa hoje, dia 29 de janeiro, quando acontece a nossa primeira reunião nos lares. Temos um sonho e queremos alcançar vidas e para isto é preciso agora mais do que nunca avançar com a estratégia que o Senhor nos deu: Projeto Luz nos Lares.

Ninguém está enganado, sabemos da árdua tarefa de promulgar o evangelho nos quatro cantos da cidade, principalmente, porque temos convicções a respeito do chamado para a transformação que a nossa cidade experimentará conhecendo a Luz de Jesus.

Para começar o ano o Senhor me propiciou uma visão do que temos que fazer para levar esta Luz a toda Mogi Guaçu. Lendo o livro de Jonas deparei com algo bastante chamativo, e a revelação que tive é que precisamos tirar o foco da “baleia” e por em tela a salvação.

Sempre vemos pregadores experimentados ou recém lançados ao campo trabalhar com um pensamento central sobre o texto que se propõe levar como mensagem. Por exemplo, em Lucas 15 já ouvi dezenas de vezes a pregação exclusiva, tão somente falando do filho pródigo. Sempre se atém ao filho pródigo, ao filho que deu prejuízo e fazem a prédica ter como de costume a mesma tônica: este capítulo fala do filho pródigo. Esquecem sempre que mais do que o filho pródigo ou do filho que ficou, o foco é o amor do pai.

Em Jonas não é diferente, é sempre o mesmo discurso: o profeta que a “baleia” engoliu. Por mais explorada que seja a pregação sempre se esbarra no fato de que Jonas foi engolido por um grande peixe, passou três dias no ventre do peixe e depois foi vomitado na praia. Isto me faz pensar que um profeta é sempre indigesto, até baleia vomita um profeta.

Sigamos com o livro de Jonas. Este livro é tremendo porque mostra um Pai amoroso sonhando com a mudança de uma cidade, isto é, a conversão de uma população toda ao Senhor. No livro encontramos Deus preparando um grande peixe para engolir Jonas, mas o peixe não deve ser mais importante do que o amoroso coração de Deus que sonhava com a cidade de Nínive todinha convertida.

Mudança de uma cidade fala de conversão e conversão fala de salvação. A baleia só é o pano de fundo da história, porque o que mais se destaca no cenário do livro de Jonas é a salvação das almas de Nínive.

Lembro-me que uma das melhores mensagens que já preguei foi ALMAS OU ABÓBORAS. Um clássico das pregações que Deus me deu. E eu falava sobre um profeta que amava mais uma aboboreira do que uma alma.

Como Nínive se converteu? Como podemos levar Mogi Guaçu a render-se aos pés de Jesus.

Primeiro: é preciso gostar de desafios e não tornar-se um fugitivo ao chamado. Geralmente para atender o chamado de Deus é preciso consciência que vem pela frente trabalhos árduos, pesados e que exige compenetração. Jonas 1:1-3 fala sobre a sua vocação profética, a sua fuga, mas também fala sobre o seu castigo.

É como é fácil dizer que Jonas era um fugitivo, mas será que poderíamos dizer que encontramos facilidades em sermos um pregoeiro da mensagem de Deus? A carga problemática que se assume torna-se um fardo por demais pesado para bem administrar, principalmente quando se trata de aguardar e esperar a transformação de vidas, e no caso de Jonas e até do nosso, a mudança de uma cidade inteira.

Outros homens levantados por Deus enfrentaram crises existenciais defronte ao grande desafio de encarar os descaminhos do povo distanciado de Deus. Esdras é um exemplo típico disto. Imagine que no coração de Esdras tinha uma missão latente de ver o templo reconstruído e a adoração restaurada e ele teve que ter iniciativas próprias, porque em seu livro com 10 capítulos, 280 versículos não há nenhuma palavra profética, nenhum recado de Deus, promessa nenhuma sequer, no entanto há 9 perguntas e 43 ordenanças.

Quando Esdras por fim consegue chegar à experiência do reavivamento com a retomada do culto e adoração, novamente os judeus são chamados de o povo de Israel, mas o pecado é descoberto. (Esdras 9:1). Ouvido o relato Esdras toma uma atitude pela dor do pecado revelado, ele rasgou as suas vestes e o manto e arrancou os cabelos da cabeça e da barba (vs.3).

Não era fácil lidar com um povo corrompido aquela época, imagine hoje a luta de um pregador de restauração princípios, quando o homem perdeu-os no caminho da religiosidade.

Não foi diferente com Jeremias, sim, Jeremias o chorão. Chorava pelo povo dotado de uma dura cerviz e sua missão era esclarecer a Israel as conseqüências do pecado e da apostasia e mostrar lhe o próprio futuro segundo o plano de Deus para o homem, enfatizando que o destino de cada um é definido por viver ou não nos padrões divinos de Deus. Foi por isso que Jeremias trouxe 1002 profecias e 779 foram cumpridas em seu tempo.

Como se vê não é fácil cumprir uma missão e falar a uma terra pecadora e anunciar o perigo do seu pecado e alertar sobre o castigo que vem. Então ninguém se iluda que a missão do Projeto Luz nos Lares será melhor e mais fácil do que a destes homens que foram levantados por Deus para levar o povo à Deus, cônscio do propósito da obra de Cristo.(Tito 2:14-15)

Para levar a mensagem é preciso crer que temos um Deus que tudo provê e se preciso for prepara até um grande peixe para que leve nos a obedecer a sua Palavra e comissionamento. Temos encontrado gente de coração empedernido, que não querem abrir a porta, que não querem pregar porque a exemplo de Jonas, não conseguem entender que verão as mãos de Deus operando, mas vivem e querem sinais, mas Jesus foi incisivo:” não se lhe dará outro sinal, senão o do profeta Jonas”.(Mateus 12: 38-41).

Jonas foi insuflado pela palavra de Deus e então vai a Nínive pregar. (Jonas 3:1-4). Nós só temos que obedecer. Só isto. Obedecer e ir pregar a palavra. Anunciada a palavra, não somos nós que faremos a mudança, a transformação de um pecador em um santo para Deus, não é mérito do nosso poder de eloqüência ou capacidade de pregar, mas antes, do poder do evangelho de Deus. Romanos. 1:16.

Tenho ouvido de homens que Deus fez grandes obras em suas vidas e na família coisas inacreditáveis:”é difícil o trabalho, desanima, ninguém vem, ninguém quer nada com nada”, “o mundo não tem jeito não, está tudo corrompido, não há o que fazer”. E por que isto? Confiança em si mesmo, então desanimam. É preciso imprimir na mente, no coração os princípios de 1 Pedro 4: 11 “Se alguém fala, fale de acordo com os oráculos de Deus; se alguém serve, faça-o na força que Deus supre, para que em todas as coisas, seja Deus glorificado, por meio de Jesus Cristo, a quem pertence a glória e o domínio pelos séculos dos séculos.Amém.”

Me convertí numa geração que tinha lemas e princípios e uma frase sempre me acompanhou “o negócio do Rei é urgente”( I Sm 21:8). É preciso descobrir que nosso dever de anunciar é premente. Urge que começamos já. Deus disse a Jonas (cap.1:2) “Dispõe te, vai à grande cidade de Nínive e proclama a mensagem que eu te digo”.´É agora, é hoje, porque a cada minuto preciosas almas estão sendo solapadas, irmãos estão esfriando porque falta lhes gente animada, estamos vendo isto acontecer à nossa frente e optamos por não fazer nada, ou olhar para o nosso próprio umbigo e se realizar com o hedonismo que domina o homem moderno.

Pedro insta em alta voz nos meus ouvidos “o tempo que vos resta na carne, já não vivais de acordo com as paixões dos homens, mas segundo a vontade de Deus. (I Pe 4:2)

É hora de despertar, de pregar, de anunciar, de fazer os homens ouvirem a mensagem, Jesus disse:” Sai pelos caminhos e atalhos e força-os a entrar, para que fique cheia a minha casa” Lc 14:23.

Sobre Mogi Guaçu, a terra que amamos pesa um encargo, o do arrependimento, o de Deus é o julgamento, mas o nosso é cumprir o ide e anunciar a palavra que haja mudanças e transformações na nossa casa, na nossa rua, no nosso bairro, na nossa cidade. Você da Missão Paz e Vida de Mogi Guaçu sua responsabilidade é com Mogi Guaçu, é andar com os pastores da igreja que desde 2001 diariamente oram a Palavra Profética de Isaias 62, para haja mudanças nos que estão ao nosso redor e nesta terra.

Que Deus te levante como sacerdote que não permite que lâmpada se apague, indo levar o Luz nos Lares. Não fuja Jonas, procure o pastor Evandro e vamos por a mão à obra.



quinta-feira, 20 de janeiro de 2011

CASAMENTO É ÓTIMO E REQUER EXCELENTES TESTEMUNHAS


Hoje dia 20, faz dois meses que meu filho João se casou com a queridíssima Amanda. Pois é, o tempo passa rápido, mas do período podemos tirar reflexões que nos acrescenta. Estive pensando desde ontem acerca da linda cerimônia que vi e participei. A celebração deste matrimônio foi realizada pelo Reverendo Junior da Igreja Presbiteriana Central, revelando momentos de encanto e beleza ímpar, desde a entrada das testemunhas até a benção final.

Algo que me chamou a atenção foi a escolha das testemunhas que tanto João e Amanda fizeram. Gente madura, a maioria da mesma fé, com vida prática cristã, o que pesa muito em um casamento onde os noivos fazem juras de um amor duradouro.

Porque este termo “pesa”? Por que por mais dedicado que o pastor do casal possa ser, esse novo casamento precisa de acompanhamento espiritual, à base de muita oração, de assistência e intervenção nas necessidades ou vicissitudes que surjam, e em via de regras o pastor pode ser transferido, mudar-se para distante, e as testemunhas que permanecem no mesmo domicilio podem exercer grande influência na vida do casal, pelo menos penso assim, então, daí a importância da escolha.

Testemunhas de casamentos não devem ser as de melhores posses para darem os melhores presentes, mas aqueles que são referenciais dentro das comunidades que freqüentam, que sejam pessoas idôneas e comprometidas com a vida cristã, e que saberão responder as dúvidas dos recém casados, quer seja na vida secular ou na espiritual.

Evidentemente que não queremos dizer aqui que só os da mesma fé que são credenciados a testemunharem uma cerimônia religiosa de um consórcio nupcial, mas que as testemunhas devem ser casadas há um bom tempo, que tenham vidas exemplares como casal respeitado, como lídimos chefes de famílias, porque o que se inicia com o casamento é uma nova família, e nada melhor do que gente exemplar para servirem de referenciais.

A Bíblia refere-se ao casamento um estado digno de honra entre todos (Hb.13:4), daí procurar exaltá-lo como o melhor feito da vida, e não andar pelos caminhos dos que escarnecem desta instituição divina. Há ditados extremos acerca do casamento como, por exemplo, “se o casamento fosse bom, não precisaria de testemunha”.

Este ditado jocoso não tem sentido porque a necessidade de testemunhas (também chamadas de padrinhos) na cerimônia religiosa e civil é de suma importância. Aqui não se trata de testemunhar um fato errado cometido por alguém, um litígio, mas o inicio de uma nova família e por isso que é importante a escolha destes elementos para a cerimônia.

O papel das testemunhas em um casamento é muito especial, é uma honraria, portanto os noivos devem convidar pessoas que lhe sejam destacadas, tanto na vida da noiva ou do noivo.

É uma das escolhas mais importantes para a cerimônia, pois são pessoas que vão acompanhar a vida do casal por muitos anos; geralmente as testemunhas são pessoas que estarão no altar para atestar a união e ajudar o casal em tudo o que eles precisarem.

Uma boa orientação para os noivos escolherem os padrinhos é ter em mente sempre alguém que conheça o casal e saiba de toda a história dos dois. É bom também que seja uma pessoa que conheça as famílias e que simpatize com ambas. As testemunhas de casamento serão a continuação da família dos noivos.

Os noivos nunca devem ceder a pressões externas, muito menos da família na hora de escolher as testemunhas. A escolha tem que ser algo prazeroso, alguém que os noivos gostem e que acompanhou desde o inicio a história do casal, até porque estas testemunhas também terão papel fundamental na organização da cerimônia e no dia do casamento.

Tamanha importância do ato é fundamentada no fato de que as Escrituras narram “que o homem que acha uma esposa acha o bem e alcançou a benevolência do Senhor”(Pv. 18:22) “o coração do seu marido confia nela e não haverá falta de ganho”(Pv.31.11);”ela lhe faz bem e não mal; todos os dias da sua vida”(Pv.31.12); “maridos, amai a vossa mulher, como Cristo amou a sua igreja e por ela se entregou”(Ef.5:25).

segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

O FASCÍNIO DA DESOBEDIÊNCIA



Na madrugada de hoje eu pensava profundamente o porquê da desobediência exercer tanto fascínio sobre o ser humano. Parece que é uma espécie de encantamento, mostrando que o homem tirou o foco dos princípios que foram ditados por Deus. No contexto bíblico a primeira conseqüência da quebra das ordenanças divinas originou a morte, quando Adão Eva caem na desobediência, e depois quando da vinda dos preceitos, mandamentos e estatutos do Senhor, é revelado que o desobediente é um ser corrompido onde nele não se vislumbra a sabedoria que deveria ser o lume para os outros homens.

Quando Moises recebe os princípios divinos, chama o povo e assim declara: Eu lhes ensinei decretos e leis, como me ordenou o Senhor, o meu Deus, para que sejam cumpridos na terra na qual vocês estão entrando para dela tomar posse. Vocês devem obedecer-lhes e cumpri-los, pois assim os outros povos verão a sabedoria e o discernimento de vocês. Quando eles ouvirem todos estes decretos dirão: “De fato esta grande nação é um povo sábio e inteligente”. Dt 4:5-6.

A morte já está patenteada que será o ultimo inimigo a ser vencido, conforme escreveu Paulo em I Coríntios 15: 26, quer dizer, até que Cristo volte para buscar a sua Noiva ainda experimentaremos a conseqüência da desobediência. Mas revelar-se desatinado por opção ou sedução pela prática da desobediência é cair no paraíso. Não quero justificar o erro de Adão e Eva, mas nós temos toda a Lei, os Profetas e a revelação da cultura neo-testamentária como verdadeiros semáforos, alertas e avisos de “pare”, não atravesse, pecado à frente. Então, a desobediência é a quebra de princípios.

Por maior que seja o encantamento, a fascinação que a desobediência possa exercer sobre o homem, os princípios de Deus tem argumentos mais veementes, mais fortes, daí o que não justifica o ceder à desobediência com tanta facilidade. Quem vive e caminha por princípios, pode descansar na hora de pedir socorro, a exemplo de Davi como fez em Salmo 119:173 “Com tua vem ajudar-me, pois escolhi os teus preceitos”(normas, regras, princípios).

Mesmo lendo a Bíblia tem muita gente que não se afina, não distingue e não sabe o que são princípios. Princípios são ensinamentos básicos, verdades práticas que estão na Palavra de Deus e que devem ser aplicados em todas as áreas da nossa vida: familiar, escolar, espiritual, etc. E que treinam a nossa mente para que possamos discernir o bem do mal

Há os que pensam que o que foi escrito na Palavra é só para aquele tempo antigo, para os apóstolos, os judeus. Mas eles são válidos em todo o tempo, em todo lugar, para todas as pessoas de todas as idades e todas as áreas da nossa vida. É por isso que Davi fala no Salmo 119:105: "Lâmpada para os meus pés é a Tua Palavra e luz para os meus caminhos". Os princípios contidos na Palavra de Deus devem ser guardados em nosso coração.

Deus sabendo que não poderíamos vê-lo, fisicamente, por causa do pecado que nos afastou de Sua maravilhosa presença, inspirou dezenas de homens e mulheres, ao longo de séculos, para escrever o manual mais completo de todos os tempos, a Sua própria Palavra escrita, a Bíblia, para que os Seus ensinamentos, os Seus princípios, não fossem esquecidos através dos tempos, mas estivessem sempre vivos diante de nós.

Muitas pessoas estão em busca das suas vitórias, querem a todo custo ser vencedoras, e, no entanto não tem conseguido chegar porque não aprenderam a obedecer por completo. Vitória noventa por cento, é derrota cem por cento. E porque não vencem? Há uma necessidade premente de saber que não existem vitórias sem vencermos primeiro as nossas guerras pessoais, e a não observação dos princípios, é uma batalha renhida.

Quando observamos a narrativa da história de Israel vemos que o povo de Deus sempre vencia as mais ferrenhas lutas, porém, tropeçou numa batalha que parecia impossível perder, como foi o caso de Ai. E porque perdeu uma batalha desta? Por que Acã, um do povo quebrou princípios sagrados. (Josué 7).

Como pode uma derrota no lugar de uma vitória que era certa? Desobediência aos princípios. A fórmula de Deus para a vitória é baseado em Seus princípios divinos, e se assim procedemos temos o o direito de derrubar os gigantes que se levantam contra nossas vidas, se estamos escondidos nos princípios não nos assustaremos com os gigantes que se levantam de todos os lados.

O cenário da vitória está montado, você decide e Deus te prepara para a vitória através dos seus princípios.

Quem estiver andando segundo seus próprios planos, estratégia pessoal, seguindo sua própria vontade, com pose de que já sabe tudo, deixando a soberba tomar conta da vida, andando no próprio caminho traçado, o próximo passo é a queda. Provérbios 16:18 diz que “o orgulho vem antes da destruição, o espírito altivo, antes da queda.”

Vencer requer um quesito fundamental: observância dos princípios de Deus, porque as promessas de Deus não são para desobedientes. Os princípios não podem ser quebrados. Os princípios para serem obedecidos, exigem a atenção ao que o Espírito diz. “Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas. Ao que vencer, dar-lhe-ei a comer da árvore da vida, que está no paraíso de Deus” (Ap 2:7).

Sabe do que fala isto? Fala de obediência. Ouvir é igual obedecer. ”Se quiserdes e me ouvirdes, então comereis o melhor dessa terra.” (Is 1:19). “Quem há entre vós que a isso dará ouvidos? que atenderá e ouvirá doravante?” (Is 42:23). “Ouvi agora isto, ó povo insensato e sem entendimento, que tendes olhos e não vedes, que tendes ouvidos e não ouvis.” (Jr 5:21).

A Bíblia diz: “Quem tem ouvidos, ouça!” Isto quer dizer: quem ouvir, obedeça.

A vitória se conquista observando os princípios de Deus. Saia do fascínio, do encantamento, diga sim aos princípios de Deus. Seja obediente. Ande em princípios e experimente a vitória.

quarta-feira, 12 de janeiro de 2011

QUEM USA MATERIAL ADEQUADO, OBTÉM MELHOR RESULTADO



Como já escrevi em outra postagem, estou residindo em outro endereço, e nem um mês faz e com isto algumas coisinhas ainda estão sendo colocadas nos seus devidos lugares. Ontem foi a vez dos documentos, papeis antigos, históricos escolares, diplomas, certificados de tudo quanto é curso que a família toda já realizou, e olha o que eu encontrei, o diploma do 4º.ano, na época, considerado o certificado de conclusão do curso primario, datada de 14 de dezembro de 1962, data em que tive que ir à Itapira para a formatura, já que tinha me mudado para cá em 08 de dezembro. Como fechei todas as matérias no ultimo bimestre, já estava de férias desde o primeiro dia de dezembro.

O diploma, como a gente chamava, está meio massacrado de tanto que já andou, primeiro emprego, outros estabelecimentos que exigiam a apresentação, até para o curso de admissão ao ginásio, já que naquela época não existia xerox, mas como se percebe pela foto tem algo patenteado no certificado que foi feito para durar muito tempo: o nome do diretor da Escola e o nome do formando, no caso, eu, José Armando Vanelli.

Mas porque estes dois nomes, a data do nascimento e a data do diploma estão tão legíveis? Por que foram escritos com material adequado, neste caso, com tinta nanquim. A tinta nanquim tem propriedades de grande fixação. Ela era na época do diploma obtida a partir da tinta preta liberada pelos moluscos marinhos da família dos octópodes (polvo e lula), hoje é fabricada a partir de uma mistura de cânfora, gelatina em pó escuro conhecido como pó-de-sapato. Tanto faz, em 1962 ou em 2011, a nanquim era e é material adequado, logo em um certificado, diploma, brasão, ou outro local de impressão, o resultado é para longa duração.

Tudo isto escrevi para falar acerca do Salmo 45. E porque por que o salmo 45 fala de algo que não pode ser teórico, antes prático e envolvente. Já ao iniciar o salmo, os autores falam de algo que revela a convicção de um cântico ao Senhor: “ o meu coração transborda de boas palavras”. Lembro me certa vez que visitava uma senhora de idade e ela pôs água no fogo para fazer um café, e de repente eu comecei a ouvir uma espécie de chiado forte, um apito estridente e perguntei o que isto minha irmã? E ela me respondeu toda feliz, a minha chaleira assovia quando a água está fervendo.

Tenho pensado seriamente sobre todo este tempo que tenho pregado a palavra de Deus, que um ministro de Deus não pode se apresentar friamente diante de um publico para trazer a mensagem de Deus, antes tem assumir o púlpito com um coração fervente, pois o que vem de Deus é animador e estimulante.

Como é chamativo o versículo 1: “ ao rei consagro o que compus”. Isto mexe com meu íntimo porque fala diretamente do chamado que temos, todos nós fomos chamados a ter uma vida que harmonize se como uma composição ao Rei, com a inspiração do Espírito Santo.

Se nos prendermos às nossas próprias palavras e ações não encontraremos dignidade para descrever nada sobre o Rei, mas se permitirmos a ajuda do Espírito Santo, a palavra, o testemunho, o anuncio do evangelho será borbulhante e fervente.

Fico pensando na realeza do momento em que os filhos de Coré conceberam este salmo, é provável que ao compor esse cântico destinavam o a uma cerimônia nupcial, porém enfatizam o Rei nos versículos 1 a 9, e o que mais impressiona é eles mantém em todos os 17 versículos a forma didática, isto é, um salmo reflexivo com aplicações pedagógicas, o que me deixa a vontade para afirmar que tudo na na Bíblia está vinculado ao ensino e prática dos princípios divinos.

Agora se não bastasse a aplicação de fazer certo o que pretendiam, os autores usam de uma expressão tremenda “ a minha língua é como a pena de habilidoso escritor”.

Na escola que me formei em 1962, a carteira tinha um buraco e um tinteiro e usava-se uma caneta com pena removível, e tudo o que era escrito era com aquela tinta e caneta. As vezes a tinta vinha misturada, sobrava restos nos vidros de tinta no almoxarifado e o servente misturava tudo e enchia os vidros. Eu chamava a professora e reclamava porque as letras ficavam desiguais na cor. Quando eu chegava de manhã na sala de aula a primeira coisa que eu fazia era ver se o tinteiro tinha tinta suficiente e de uma só cor para as atividades até ao meio dia.

Lembra do titulo da mensagem? Então material adequado, melhor resultado. Por isso pego esta linha de pensamento, será que estamos usando a tinta pura, Deus não quer nada colorido, Ele quer algo definido. Será que o material, quer dizer, a tinta que estamos usando nos dá a condição de sermos como o destro escritor. Ou estamos usando tinta misturada.

Eu participei de um retiro em 2000, e nos intervalos das ministrações ao invés de bola, divertimento, piscina e outros, o tempo que tínhamos era para escrever um salmo ao Senhor. Que coisas tremendas saíram das minhas mãos e companheiros. Porque conseguimos este feito? Por que estávamos usando o material adequado. Usando a tinta pura.

E quando é que a tinta é pura? É quando a nossa vida está cheia da Palavra de Deus então, cheios, transbordantes da Palavra, então a nossa língua vai manifestar palavras de consagração ao Rei.

Toda a leitura da Palavra visa que debaixo da inspiração do Espírito Santo, venhamos a nos encher do material adequado, da tinta pura, para sermos instrumentos da impressão dos projetos divinos àqueles que nos cercam.

Murmuração, reclamação, lamúria, desconfiança, suspeita e até a falta de compreensão aos limites que nos cercam, são sinais visíveis da utilização de material inadequado, ou misto, quer dizer, recebe a Palavra de Deus de bom grado, mas não rejeita as coisas do mundo. De repente as novas cores ditadas pelo sistema, se mesclam à tinta pura da Palavra de Deus. Não podemos aceitar.

Estes dias atrás no Facebook, mais necessariamente ontem, no perfil dos meus amigos Márcia e Lisiane Butilheiro havia um tipo de enquete sobre o BBB com um tarja em vermelho NÃO VOU ASSISTIR. É lógico que eu curti isto e ainda comentei: “ já está difícil de pagar a taxa absurda de água, não vou querer a rede esgoto na minha sala”, nunca assisti este lixo chamado BBB, nem vou assistir agora. Crente que lê Bíblia e que assiste BBB está misturando tinta de péssima qualidade numa tinta especial .

Os filhos de Coré estavam tão cheios da boa tinta da Palavra que eles tiveram a liberdade para escrever um poema que enobrece aos que são alcançando, repito, o ínicio, a mostra do que vai ser o salmo é traduzido pelo versículo 1 “de boas palavras transborda o meu coração”. É isto, Deus não busca nada de vulgar para alcançar vidas, Ele espera e quer “palavras boas, que se emergem da tinta pura da Palavra de Deus.”

Comumente lemos um texto, apreciamos, mas retemos só por um período, e não buscamos novas porções que nos animee e impulsione a ser um transmissor da verdade. É preciso estar encharcados desta tinta maravilhosa da Palavra que sempre descreve uma nova perspectiva de vida. Quando estamos cheios do material adequado, o melhor resultado será o fazer coro com o que o sábio escreveu em Provérbios 23: 18 “porque deverás haverá bom futuro; não será frustrada a tua esperança”.

Uma vez ganhei uma caneta Parker, tinteiro, muito boa mesmo, e eu desrosqueava a parte de cima toda vez que a tinta estava acabando e havia uma recomendação no manual da caneta, que para um melhor aproveitamento da pena, deveria ser apertado fortemente a parte interior dotada de uma bisnaguinha de látex apoiada por um dupla haste metálica, até que saísse toda tinta velha, evitando assim vazamentos ou borrões.

Parece linguagem figurada, mas não é, eu penso que muitas vezes a nossa mente está tão cheia de argumentos e resiste a este pressionamento mais forte que gerará uma limpeza adequada tirando as misturas coloridas que querem homogenizar com a tinta da Palavra.

Tirar as tintas erradas gera dores, porque as tintas erradas falam da alma, da nossa vontade, mas a tinta certa fala do Espírito.

Deus e a sua Palavra não podem ocupar um mesmo espaço onde tem coisas contrárias à santidade. E é nesta hora que temos que tomar a atitude ousada do salmista:”Ao rei consagro o que compus”. Isto fala de uma ação de fé. Justamente, fé. E fé deve ser o nosso agir diário. Então quando começamos a agir em fé, um alvoroço vai romper em nosso interior, com uma vantagem, não na alma, mas no espírito.

Quem age na alma não tem fé. E quando enchemos a nossa alma estamos usando tinta errada. Eu sempre vejo nas casas do ramo anuncio de um material que a primeira vista parece serde qualidade, mas depois que você compra fica difícil. Numa casa que vende material de primeira qualidade, uma galão de 18 litros de tinta custa mais de 200,00 reais, aí na próxima loja em promoção, tinta para interior e exterior 18 litros, 39,90 reais. A diferença você percebe só na 5ª.demão, que ainda não cobriu a tinta velha.

Temos que estar cheios da tinta certa, do material adequado, para que a nossa vida seja uma composição consagrada ao Rei. A nossa língua como pena do habilidoso escritor. Se consagramos podemos escrever uma nova história, sair do marasmo, da mesmice, da mesma liturgia de sempre, mas para isto precisamos usar o material adeaquado.

Eu soube que houve um seminário do Fogo e Glória no SESC de Belo Horizonte, e lá estava o pastor Antonio Cirillo com aquele louvor que despovoa o céu e enche a terra de anjos, arcanjos, querubins e serafins e algo fenomenal aconteceu lá. O fogo caiu, as pessoas foram tão cheias do fogo que não podiam parar em pé. Era gente soluçando de um lado, outros por outro, ninguém conseguia ficar em pé. Era o fogo.

Depois de muito tempo de fogo, pastor Antonio Cirillo foi reconduzindo a situação e de repente ele faz uma pergunta: Quantos aqui depois deste fogo querem aceitar a Jesus Cristo? Ninguém levantou a mão. Só havia crentes. Então ele arrematou. Vocês passaram o que passaram, para vocês foi bom,mas para Deus não valeu nada porque as bocas de vocês não anunciaram o evangelho. Aqui no SESC tem muita gente para muitas outras atividades, então vocês sairão agora e vão anunciar o evangelho e cada um vai trazer uma pessoa aqui para se render aos pés de Jesus.

Todos saíram e ele ficou lá com o violão, passado algum tempo começou a chegar gente acompanhada dos que foram anunciar e muitos, muitos mesmo se renderam em lágrimas aos pés do Senhor. Agora era a Glória.

Se queremos obter um melhor resultado, precisamos usar o material adequado. Tudo que fizermos tem que deixar a marca, a impressão de que a tinta que usamos era a tinta verdadeira: a Palavra de Deus.

De boas palavras transborde o seu coração, ao Rei consagre o que compôs e a sua língua seja como a pena de um habilidoso escritor.