sábado, 29 de janeiro de 2011

LEVANDO A LUZ NOS LARES DE MOGI GUAÇU


O nosso ano de trabalho da igreja fora das quatro paredes começa hoje, dia 29 de janeiro, quando acontece a nossa primeira reunião nos lares. Temos um sonho e queremos alcançar vidas e para isto é preciso agora mais do que nunca avançar com a estratégia que o Senhor nos deu: Projeto Luz nos Lares.

Ninguém está enganado, sabemos da árdua tarefa de promulgar o evangelho nos quatro cantos da cidade, principalmente, porque temos convicções a respeito do chamado para a transformação que a nossa cidade experimentará conhecendo a Luz de Jesus.

Para começar o ano o Senhor me propiciou uma visão do que temos que fazer para levar esta Luz a toda Mogi Guaçu. Lendo o livro de Jonas deparei com algo bastante chamativo, e a revelação que tive é que precisamos tirar o foco da “baleia” e por em tela a salvação.

Sempre vemos pregadores experimentados ou recém lançados ao campo trabalhar com um pensamento central sobre o texto que se propõe levar como mensagem. Por exemplo, em Lucas 15 já ouvi dezenas de vezes a pregação exclusiva, tão somente falando do filho pródigo. Sempre se atém ao filho pródigo, ao filho que deu prejuízo e fazem a prédica ter como de costume a mesma tônica: este capítulo fala do filho pródigo. Esquecem sempre que mais do que o filho pródigo ou do filho que ficou, o foco é o amor do pai.

Em Jonas não é diferente, é sempre o mesmo discurso: o profeta que a “baleia” engoliu. Por mais explorada que seja a pregação sempre se esbarra no fato de que Jonas foi engolido por um grande peixe, passou três dias no ventre do peixe e depois foi vomitado na praia. Isto me faz pensar que um profeta é sempre indigesto, até baleia vomita um profeta.

Sigamos com o livro de Jonas. Este livro é tremendo porque mostra um Pai amoroso sonhando com a mudança de uma cidade, isto é, a conversão de uma população toda ao Senhor. No livro encontramos Deus preparando um grande peixe para engolir Jonas, mas o peixe não deve ser mais importante do que o amoroso coração de Deus que sonhava com a cidade de Nínive todinha convertida.

Mudança de uma cidade fala de conversão e conversão fala de salvação. A baleia só é o pano de fundo da história, porque o que mais se destaca no cenário do livro de Jonas é a salvação das almas de Nínive.

Lembro-me que uma das melhores mensagens que já preguei foi ALMAS OU ABÓBORAS. Um clássico das pregações que Deus me deu. E eu falava sobre um profeta que amava mais uma aboboreira do que uma alma.

Como Nínive se converteu? Como podemos levar Mogi Guaçu a render-se aos pés de Jesus.

Primeiro: é preciso gostar de desafios e não tornar-se um fugitivo ao chamado. Geralmente para atender o chamado de Deus é preciso consciência que vem pela frente trabalhos árduos, pesados e que exige compenetração. Jonas 1:1-3 fala sobre a sua vocação profética, a sua fuga, mas também fala sobre o seu castigo.

É como é fácil dizer que Jonas era um fugitivo, mas será que poderíamos dizer que encontramos facilidades em sermos um pregoeiro da mensagem de Deus? A carga problemática que se assume torna-se um fardo por demais pesado para bem administrar, principalmente quando se trata de aguardar e esperar a transformação de vidas, e no caso de Jonas e até do nosso, a mudança de uma cidade inteira.

Outros homens levantados por Deus enfrentaram crises existenciais defronte ao grande desafio de encarar os descaminhos do povo distanciado de Deus. Esdras é um exemplo típico disto. Imagine que no coração de Esdras tinha uma missão latente de ver o templo reconstruído e a adoração restaurada e ele teve que ter iniciativas próprias, porque em seu livro com 10 capítulos, 280 versículos não há nenhuma palavra profética, nenhum recado de Deus, promessa nenhuma sequer, no entanto há 9 perguntas e 43 ordenanças.

Quando Esdras por fim consegue chegar à experiência do reavivamento com a retomada do culto e adoração, novamente os judeus são chamados de o povo de Israel, mas o pecado é descoberto. (Esdras 9:1). Ouvido o relato Esdras toma uma atitude pela dor do pecado revelado, ele rasgou as suas vestes e o manto e arrancou os cabelos da cabeça e da barba (vs.3).

Não era fácil lidar com um povo corrompido aquela época, imagine hoje a luta de um pregador de restauração princípios, quando o homem perdeu-os no caminho da religiosidade.

Não foi diferente com Jeremias, sim, Jeremias o chorão. Chorava pelo povo dotado de uma dura cerviz e sua missão era esclarecer a Israel as conseqüências do pecado e da apostasia e mostrar lhe o próprio futuro segundo o plano de Deus para o homem, enfatizando que o destino de cada um é definido por viver ou não nos padrões divinos de Deus. Foi por isso que Jeremias trouxe 1002 profecias e 779 foram cumpridas em seu tempo.

Como se vê não é fácil cumprir uma missão e falar a uma terra pecadora e anunciar o perigo do seu pecado e alertar sobre o castigo que vem. Então ninguém se iluda que a missão do Projeto Luz nos Lares será melhor e mais fácil do que a destes homens que foram levantados por Deus para levar o povo à Deus, cônscio do propósito da obra de Cristo.(Tito 2:14-15)

Para levar a mensagem é preciso crer que temos um Deus que tudo provê e se preciso for prepara até um grande peixe para que leve nos a obedecer a sua Palavra e comissionamento. Temos encontrado gente de coração empedernido, que não querem abrir a porta, que não querem pregar porque a exemplo de Jonas, não conseguem entender que verão as mãos de Deus operando, mas vivem e querem sinais, mas Jesus foi incisivo:” não se lhe dará outro sinal, senão o do profeta Jonas”.(Mateus 12: 38-41).

Jonas foi insuflado pela palavra de Deus e então vai a Nínive pregar. (Jonas 3:1-4). Nós só temos que obedecer. Só isto. Obedecer e ir pregar a palavra. Anunciada a palavra, não somos nós que faremos a mudança, a transformação de um pecador em um santo para Deus, não é mérito do nosso poder de eloqüência ou capacidade de pregar, mas antes, do poder do evangelho de Deus. Romanos. 1:16.

Tenho ouvido de homens que Deus fez grandes obras em suas vidas e na família coisas inacreditáveis:”é difícil o trabalho, desanima, ninguém vem, ninguém quer nada com nada”, “o mundo não tem jeito não, está tudo corrompido, não há o que fazer”. E por que isto? Confiança em si mesmo, então desanimam. É preciso imprimir na mente, no coração os princípios de 1 Pedro 4: 11 “Se alguém fala, fale de acordo com os oráculos de Deus; se alguém serve, faça-o na força que Deus supre, para que em todas as coisas, seja Deus glorificado, por meio de Jesus Cristo, a quem pertence a glória e o domínio pelos séculos dos séculos.Amém.”

Me convertí numa geração que tinha lemas e princípios e uma frase sempre me acompanhou “o negócio do Rei é urgente”( I Sm 21:8). É preciso descobrir que nosso dever de anunciar é premente. Urge que começamos já. Deus disse a Jonas (cap.1:2) “Dispõe te, vai à grande cidade de Nínive e proclama a mensagem que eu te digo”.´É agora, é hoje, porque a cada minuto preciosas almas estão sendo solapadas, irmãos estão esfriando porque falta lhes gente animada, estamos vendo isto acontecer à nossa frente e optamos por não fazer nada, ou olhar para o nosso próprio umbigo e se realizar com o hedonismo que domina o homem moderno.

Pedro insta em alta voz nos meus ouvidos “o tempo que vos resta na carne, já não vivais de acordo com as paixões dos homens, mas segundo a vontade de Deus. (I Pe 4:2)

É hora de despertar, de pregar, de anunciar, de fazer os homens ouvirem a mensagem, Jesus disse:” Sai pelos caminhos e atalhos e força-os a entrar, para que fique cheia a minha casa” Lc 14:23.

Sobre Mogi Guaçu, a terra que amamos pesa um encargo, o do arrependimento, o de Deus é o julgamento, mas o nosso é cumprir o ide e anunciar a palavra que haja mudanças e transformações na nossa casa, na nossa rua, no nosso bairro, na nossa cidade. Você da Missão Paz e Vida de Mogi Guaçu sua responsabilidade é com Mogi Guaçu, é andar com os pastores da igreja que desde 2001 diariamente oram a Palavra Profética de Isaias 62, para haja mudanças nos que estão ao nosso redor e nesta terra.

Que Deus te levante como sacerdote que não permite que lâmpada se apague, indo levar o Luz nos Lares. Não fuja Jonas, procure o pastor Evandro e vamos por a mão à obra.



quinta-feira, 20 de janeiro de 2011

CASAMENTO É ÓTIMO E REQUER EXCELENTES TESTEMUNHAS


Hoje dia 20, faz dois meses que meu filho João se casou com a queridíssima Amanda. Pois é, o tempo passa rápido, mas do período podemos tirar reflexões que nos acrescenta. Estive pensando desde ontem acerca da linda cerimônia que vi e participei. A celebração deste matrimônio foi realizada pelo Reverendo Junior da Igreja Presbiteriana Central, revelando momentos de encanto e beleza ímpar, desde a entrada das testemunhas até a benção final.

Algo que me chamou a atenção foi a escolha das testemunhas que tanto João e Amanda fizeram. Gente madura, a maioria da mesma fé, com vida prática cristã, o que pesa muito em um casamento onde os noivos fazem juras de um amor duradouro.

Porque este termo “pesa”? Por que por mais dedicado que o pastor do casal possa ser, esse novo casamento precisa de acompanhamento espiritual, à base de muita oração, de assistência e intervenção nas necessidades ou vicissitudes que surjam, e em via de regras o pastor pode ser transferido, mudar-se para distante, e as testemunhas que permanecem no mesmo domicilio podem exercer grande influência na vida do casal, pelo menos penso assim, então, daí a importância da escolha.

Testemunhas de casamentos não devem ser as de melhores posses para darem os melhores presentes, mas aqueles que são referenciais dentro das comunidades que freqüentam, que sejam pessoas idôneas e comprometidas com a vida cristã, e que saberão responder as dúvidas dos recém casados, quer seja na vida secular ou na espiritual.

Evidentemente que não queremos dizer aqui que só os da mesma fé que são credenciados a testemunharem uma cerimônia religiosa de um consórcio nupcial, mas que as testemunhas devem ser casadas há um bom tempo, que tenham vidas exemplares como casal respeitado, como lídimos chefes de famílias, porque o que se inicia com o casamento é uma nova família, e nada melhor do que gente exemplar para servirem de referenciais.

A Bíblia refere-se ao casamento um estado digno de honra entre todos (Hb.13:4), daí procurar exaltá-lo como o melhor feito da vida, e não andar pelos caminhos dos que escarnecem desta instituição divina. Há ditados extremos acerca do casamento como, por exemplo, “se o casamento fosse bom, não precisaria de testemunha”.

Este ditado jocoso não tem sentido porque a necessidade de testemunhas (também chamadas de padrinhos) na cerimônia religiosa e civil é de suma importância. Aqui não se trata de testemunhar um fato errado cometido por alguém, um litígio, mas o inicio de uma nova família e por isso que é importante a escolha destes elementos para a cerimônia.

O papel das testemunhas em um casamento é muito especial, é uma honraria, portanto os noivos devem convidar pessoas que lhe sejam destacadas, tanto na vida da noiva ou do noivo.

É uma das escolhas mais importantes para a cerimônia, pois são pessoas que vão acompanhar a vida do casal por muitos anos; geralmente as testemunhas são pessoas que estarão no altar para atestar a união e ajudar o casal em tudo o que eles precisarem.

Uma boa orientação para os noivos escolherem os padrinhos é ter em mente sempre alguém que conheça o casal e saiba de toda a história dos dois. É bom também que seja uma pessoa que conheça as famílias e que simpatize com ambas. As testemunhas de casamento serão a continuação da família dos noivos.

Os noivos nunca devem ceder a pressões externas, muito menos da família na hora de escolher as testemunhas. A escolha tem que ser algo prazeroso, alguém que os noivos gostem e que acompanhou desde o inicio a história do casal, até porque estas testemunhas também terão papel fundamental na organização da cerimônia e no dia do casamento.

Tamanha importância do ato é fundamentada no fato de que as Escrituras narram “que o homem que acha uma esposa acha o bem e alcançou a benevolência do Senhor”(Pv. 18:22) “o coração do seu marido confia nela e não haverá falta de ganho”(Pv.31.11);”ela lhe faz bem e não mal; todos os dias da sua vida”(Pv.31.12); “maridos, amai a vossa mulher, como Cristo amou a sua igreja e por ela se entregou”(Ef.5:25).

segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

O FASCÍNIO DA DESOBEDIÊNCIA



Na madrugada de hoje eu pensava profundamente o porquê da desobediência exercer tanto fascínio sobre o ser humano. Parece que é uma espécie de encantamento, mostrando que o homem tirou o foco dos princípios que foram ditados por Deus. No contexto bíblico a primeira conseqüência da quebra das ordenanças divinas originou a morte, quando Adão Eva caem na desobediência, e depois quando da vinda dos preceitos, mandamentos e estatutos do Senhor, é revelado que o desobediente é um ser corrompido onde nele não se vislumbra a sabedoria que deveria ser o lume para os outros homens.

Quando Moises recebe os princípios divinos, chama o povo e assim declara: Eu lhes ensinei decretos e leis, como me ordenou o Senhor, o meu Deus, para que sejam cumpridos na terra na qual vocês estão entrando para dela tomar posse. Vocês devem obedecer-lhes e cumpri-los, pois assim os outros povos verão a sabedoria e o discernimento de vocês. Quando eles ouvirem todos estes decretos dirão: “De fato esta grande nação é um povo sábio e inteligente”. Dt 4:5-6.

A morte já está patenteada que será o ultimo inimigo a ser vencido, conforme escreveu Paulo em I Coríntios 15: 26, quer dizer, até que Cristo volte para buscar a sua Noiva ainda experimentaremos a conseqüência da desobediência. Mas revelar-se desatinado por opção ou sedução pela prática da desobediência é cair no paraíso. Não quero justificar o erro de Adão e Eva, mas nós temos toda a Lei, os Profetas e a revelação da cultura neo-testamentária como verdadeiros semáforos, alertas e avisos de “pare”, não atravesse, pecado à frente. Então, a desobediência é a quebra de princípios.

Por maior que seja o encantamento, a fascinação que a desobediência possa exercer sobre o homem, os princípios de Deus tem argumentos mais veementes, mais fortes, daí o que não justifica o ceder à desobediência com tanta facilidade. Quem vive e caminha por princípios, pode descansar na hora de pedir socorro, a exemplo de Davi como fez em Salmo 119:173 “Com tua vem ajudar-me, pois escolhi os teus preceitos”(normas, regras, princípios).

Mesmo lendo a Bíblia tem muita gente que não se afina, não distingue e não sabe o que são princípios. Princípios são ensinamentos básicos, verdades práticas que estão na Palavra de Deus e que devem ser aplicados em todas as áreas da nossa vida: familiar, escolar, espiritual, etc. E que treinam a nossa mente para que possamos discernir o bem do mal

Há os que pensam que o que foi escrito na Palavra é só para aquele tempo antigo, para os apóstolos, os judeus. Mas eles são válidos em todo o tempo, em todo lugar, para todas as pessoas de todas as idades e todas as áreas da nossa vida. É por isso que Davi fala no Salmo 119:105: "Lâmpada para os meus pés é a Tua Palavra e luz para os meus caminhos". Os princípios contidos na Palavra de Deus devem ser guardados em nosso coração.

Deus sabendo que não poderíamos vê-lo, fisicamente, por causa do pecado que nos afastou de Sua maravilhosa presença, inspirou dezenas de homens e mulheres, ao longo de séculos, para escrever o manual mais completo de todos os tempos, a Sua própria Palavra escrita, a Bíblia, para que os Seus ensinamentos, os Seus princípios, não fossem esquecidos através dos tempos, mas estivessem sempre vivos diante de nós.

Muitas pessoas estão em busca das suas vitórias, querem a todo custo ser vencedoras, e, no entanto não tem conseguido chegar porque não aprenderam a obedecer por completo. Vitória noventa por cento, é derrota cem por cento. E porque não vencem? Há uma necessidade premente de saber que não existem vitórias sem vencermos primeiro as nossas guerras pessoais, e a não observação dos princípios, é uma batalha renhida.

Quando observamos a narrativa da história de Israel vemos que o povo de Deus sempre vencia as mais ferrenhas lutas, porém, tropeçou numa batalha que parecia impossível perder, como foi o caso de Ai. E porque perdeu uma batalha desta? Por que Acã, um do povo quebrou princípios sagrados. (Josué 7).

Como pode uma derrota no lugar de uma vitória que era certa? Desobediência aos princípios. A fórmula de Deus para a vitória é baseado em Seus princípios divinos, e se assim procedemos temos o o direito de derrubar os gigantes que se levantam contra nossas vidas, se estamos escondidos nos princípios não nos assustaremos com os gigantes que se levantam de todos os lados.

O cenário da vitória está montado, você decide e Deus te prepara para a vitória através dos seus princípios.

Quem estiver andando segundo seus próprios planos, estratégia pessoal, seguindo sua própria vontade, com pose de que já sabe tudo, deixando a soberba tomar conta da vida, andando no próprio caminho traçado, o próximo passo é a queda. Provérbios 16:18 diz que “o orgulho vem antes da destruição, o espírito altivo, antes da queda.”

Vencer requer um quesito fundamental: observância dos princípios de Deus, porque as promessas de Deus não são para desobedientes. Os princípios não podem ser quebrados. Os princípios para serem obedecidos, exigem a atenção ao que o Espírito diz. “Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas. Ao que vencer, dar-lhe-ei a comer da árvore da vida, que está no paraíso de Deus” (Ap 2:7).

Sabe do que fala isto? Fala de obediência. Ouvir é igual obedecer. ”Se quiserdes e me ouvirdes, então comereis o melhor dessa terra.” (Is 1:19). “Quem há entre vós que a isso dará ouvidos? que atenderá e ouvirá doravante?” (Is 42:23). “Ouvi agora isto, ó povo insensato e sem entendimento, que tendes olhos e não vedes, que tendes ouvidos e não ouvis.” (Jr 5:21).

A Bíblia diz: “Quem tem ouvidos, ouça!” Isto quer dizer: quem ouvir, obedeça.

A vitória se conquista observando os princípios de Deus. Saia do fascínio, do encantamento, diga sim aos princípios de Deus. Seja obediente. Ande em princípios e experimente a vitória.

quarta-feira, 12 de janeiro de 2011

QUEM USA MATERIAL ADEQUADO, OBTÉM MELHOR RESULTADO



Como já escrevi em outra postagem, estou residindo em outro endereço, e nem um mês faz e com isto algumas coisinhas ainda estão sendo colocadas nos seus devidos lugares. Ontem foi a vez dos documentos, papeis antigos, históricos escolares, diplomas, certificados de tudo quanto é curso que a família toda já realizou, e olha o que eu encontrei, o diploma do 4º.ano, na época, considerado o certificado de conclusão do curso primario, datada de 14 de dezembro de 1962, data em que tive que ir à Itapira para a formatura, já que tinha me mudado para cá em 08 de dezembro. Como fechei todas as matérias no ultimo bimestre, já estava de férias desde o primeiro dia de dezembro.

O diploma, como a gente chamava, está meio massacrado de tanto que já andou, primeiro emprego, outros estabelecimentos que exigiam a apresentação, até para o curso de admissão ao ginásio, já que naquela época não existia xerox, mas como se percebe pela foto tem algo patenteado no certificado que foi feito para durar muito tempo: o nome do diretor da Escola e o nome do formando, no caso, eu, José Armando Vanelli.

Mas porque estes dois nomes, a data do nascimento e a data do diploma estão tão legíveis? Por que foram escritos com material adequado, neste caso, com tinta nanquim. A tinta nanquim tem propriedades de grande fixação. Ela era na época do diploma obtida a partir da tinta preta liberada pelos moluscos marinhos da família dos octópodes (polvo e lula), hoje é fabricada a partir de uma mistura de cânfora, gelatina em pó escuro conhecido como pó-de-sapato. Tanto faz, em 1962 ou em 2011, a nanquim era e é material adequado, logo em um certificado, diploma, brasão, ou outro local de impressão, o resultado é para longa duração.

Tudo isto escrevi para falar acerca do Salmo 45. E porque por que o salmo 45 fala de algo que não pode ser teórico, antes prático e envolvente. Já ao iniciar o salmo, os autores falam de algo que revela a convicção de um cântico ao Senhor: “ o meu coração transborda de boas palavras”. Lembro me certa vez que visitava uma senhora de idade e ela pôs água no fogo para fazer um café, e de repente eu comecei a ouvir uma espécie de chiado forte, um apito estridente e perguntei o que isto minha irmã? E ela me respondeu toda feliz, a minha chaleira assovia quando a água está fervendo.

Tenho pensado seriamente sobre todo este tempo que tenho pregado a palavra de Deus, que um ministro de Deus não pode se apresentar friamente diante de um publico para trazer a mensagem de Deus, antes tem assumir o púlpito com um coração fervente, pois o que vem de Deus é animador e estimulante.

Como é chamativo o versículo 1: “ ao rei consagro o que compus”. Isto mexe com meu íntimo porque fala diretamente do chamado que temos, todos nós fomos chamados a ter uma vida que harmonize se como uma composição ao Rei, com a inspiração do Espírito Santo.

Se nos prendermos às nossas próprias palavras e ações não encontraremos dignidade para descrever nada sobre o Rei, mas se permitirmos a ajuda do Espírito Santo, a palavra, o testemunho, o anuncio do evangelho será borbulhante e fervente.

Fico pensando na realeza do momento em que os filhos de Coré conceberam este salmo, é provável que ao compor esse cântico destinavam o a uma cerimônia nupcial, porém enfatizam o Rei nos versículos 1 a 9, e o que mais impressiona é eles mantém em todos os 17 versículos a forma didática, isto é, um salmo reflexivo com aplicações pedagógicas, o que me deixa a vontade para afirmar que tudo na na Bíblia está vinculado ao ensino e prática dos princípios divinos.

Agora se não bastasse a aplicação de fazer certo o que pretendiam, os autores usam de uma expressão tremenda “ a minha língua é como a pena de habilidoso escritor”.

Na escola que me formei em 1962, a carteira tinha um buraco e um tinteiro e usava-se uma caneta com pena removível, e tudo o que era escrito era com aquela tinta e caneta. As vezes a tinta vinha misturada, sobrava restos nos vidros de tinta no almoxarifado e o servente misturava tudo e enchia os vidros. Eu chamava a professora e reclamava porque as letras ficavam desiguais na cor. Quando eu chegava de manhã na sala de aula a primeira coisa que eu fazia era ver se o tinteiro tinha tinta suficiente e de uma só cor para as atividades até ao meio dia.

Lembra do titulo da mensagem? Então material adequado, melhor resultado. Por isso pego esta linha de pensamento, será que estamos usando a tinta pura, Deus não quer nada colorido, Ele quer algo definido. Será que o material, quer dizer, a tinta que estamos usando nos dá a condição de sermos como o destro escritor. Ou estamos usando tinta misturada.

Eu participei de um retiro em 2000, e nos intervalos das ministrações ao invés de bola, divertimento, piscina e outros, o tempo que tínhamos era para escrever um salmo ao Senhor. Que coisas tremendas saíram das minhas mãos e companheiros. Porque conseguimos este feito? Por que estávamos usando o material adequado. Usando a tinta pura.

E quando é que a tinta é pura? É quando a nossa vida está cheia da Palavra de Deus então, cheios, transbordantes da Palavra, então a nossa língua vai manifestar palavras de consagração ao Rei.

Toda a leitura da Palavra visa que debaixo da inspiração do Espírito Santo, venhamos a nos encher do material adequado, da tinta pura, para sermos instrumentos da impressão dos projetos divinos àqueles que nos cercam.

Murmuração, reclamação, lamúria, desconfiança, suspeita e até a falta de compreensão aos limites que nos cercam, são sinais visíveis da utilização de material inadequado, ou misto, quer dizer, recebe a Palavra de Deus de bom grado, mas não rejeita as coisas do mundo. De repente as novas cores ditadas pelo sistema, se mesclam à tinta pura da Palavra de Deus. Não podemos aceitar.

Estes dias atrás no Facebook, mais necessariamente ontem, no perfil dos meus amigos Márcia e Lisiane Butilheiro havia um tipo de enquete sobre o BBB com um tarja em vermelho NÃO VOU ASSISTIR. É lógico que eu curti isto e ainda comentei: “ já está difícil de pagar a taxa absurda de água, não vou querer a rede esgoto na minha sala”, nunca assisti este lixo chamado BBB, nem vou assistir agora. Crente que lê Bíblia e que assiste BBB está misturando tinta de péssima qualidade numa tinta especial .

Os filhos de Coré estavam tão cheios da boa tinta da Palavra que eles tiveram a liberdade para escrever um poema que enobrece aos que são alcançando, repito, o ínicio, a mostra do que vai ser o salmo é traduzido pelo versículo 1 “de boas palavras transborda o meu coração”. É isto, Deus não busca nada de vulgar para alcançar vidas, Ele espera e quer “palavras boas, que se emergem da tinta pura da Palavra de Deus.”

Comumente lemos um texto, apreciamos, mas retemos só por um período, e não buscamos novas porções que nos animee e impulsione a ser um transmissor da verdade. É preciso estar encharcados desta tinta maravilhosa da Palavra que sempre descreve uma nova perspectiva de vida. Quando estamos cheios do material adequado, o melhor resultado será o fazer coro com o que o sábio escreveu em Provérbios 23: 18 “porque deverás haverá bom futuro; não será frustrada a tua esperança”.

Uma vez ganhei uma caneta Parker, tinteiro, muito boa mesmo, e eu desrosqueava a parte de cima toda vez que a tinta estava acabando e havia uma recomendação no manual da caneta, que para um melhor aproveitamento da pena, deveria ser apertado fortemente a parte interior dotada de uma bisnaguinha de látex apoiada por um dupla haste metálica, até que saísse toda tinta velha, evitando assim vazamentos ou borrões.

Parece linguagem figurada, mas não é, eu penso que muitas vezes a nossa mente está tão cheia de argumentos e resiste a este pressionamento mais forte que gerará uma limpeza adequada tirando as misturas coloridas que querem homogenizar com a tinta da Palavra.

Tirar as tintas erradas gera dores, porque as tintas erradas falam da alma, da nossa vontade, mas a tinta certa fala do Espírito.

Deus e a sua Palavra não podem ocupar um mesmo espaço onde tem coisas contrárias à santidade. E é nesta hora que temos que tomar a atitude ousada do salmista:”Ao rei consagro o que compus”. Isto fala de uma ação de fé. Justamente, fé. E fé deve ser o nosso agir diário. Então quando começamos a agir em fé, um alvoroço vai romper em nosso interior, com uma vantagem, não na alma, mas no espírito.

Quem age na alma não tem fé. E quando enchemos a nossa alma estamos usando tinta errada. Eu sempre vejo nas casas do ramo anuncio de um material que a primeira vista parece serde qualidade, mas depois que você compra fica difícil. Numa casa que vende material de primeira qualidade, uma galão de 18 litros de tinta custa mais de 200,00 reais, aí na próxima loja em promoção, tinta para interior e exterior 18 litros, 39,90 reais. A diferença você percebe só na 5ª.demão, que ainda não cobriu a tinta velha.

Temos que estar cheios da tinta certa, do material adequado, para que a nossa vida seja uma composição consagrada ao Rei. A nossa língua como pena do habilidoso escritor. Se consagramos podemos escrever uma nova história, sair do marasmo, da mesmice, da mesma liturgia de sempre, mas para isto precisamos usar o material adeaquado.

Eu soube que houve um seminário do Fogo e Glória no SESC de Belo Horizonte, e lá estava o pastor Antonio Cirillo com aquele louvor que despovoa o céu e enche a terra de anjos, arcanjos, querubins e serafins e algo fenomenal aconteceu lá. O fogo caiu, as pessoas foram tão cheias do fogo que não podiam parar em pé. Era gente soluçando de um lado, outros por outro, ninguém conseguia ficar em pé. Era o fogo.

Depois de muito tempo de fogo, pastor Antonio Cirillo foi reconduzindo a situação e de repente ele faz uma pergunta: Quantos aqui depois deste fogo querem aceitar a Jesus Cristo? Ninguém levantou a mão. Só havia crentes. Então ele arrematou. Vocês passaram o que passaram, para vocês foi bom,mas para Deus não valeu nada porque as bocas de vocês não anunciaram o evangelho. Aqui no SESC tem muita gente para muitas outras atividades, então vocês sairão agora e vão anunciar o evangelho e cada um vai trazer uma pessoa aqui para se render aos pés de Jesus.

Todos saíram e ele ficou lá com o violão, passado algum tempo começou a chegar gente acompanhada dos que foram anunciar e muitos, muitos mesmo se renderam em lágrimas aos pés do Senhor. Agora era a Glória.

Se queremos obter um melhor resultado, precisamos usar o material adequado. Tudo que fizermos tem que deixar a marca, a impressão de que a tinta que usamos era a tinta verdadeira: a Palavra de Deus.

De boas palavras transborde o seu coração, ao Rei consagre o que compôs e a sua língua seja como a pena de um habilidoso escritor. 

terça-feira, 11 de janeiro de 2011

SERÁ QUE AINDA HÁ ESPERANÇA?



Dez de janeiro de 2011, 14h37 toca o celular, um pai em desespero pela prisão do filho por porte de drogas, não pouca drogas o que já justifica o angustiante pedido de socorro do pai. Passei a instruí-lo sobre os procedimentos cabíveis no caso e me dispondo a ajudá-lo primeiramente em oração e depois com orientações e apoio para tão triste caso. Houve um momento que me comovi quando aquele pai me perguntou antes de desligar: Pastor será que ainda há esperança para o meu filho? Então passei o resto da tarde pensando naquela pergunta, já que existe um sem número de pessoas desesperançadas.


Tenho um texto muito interessante que nos serve para reflexão e ver a grandes possibilidades do renascimento da esperança.

”Não aparecendo nem sol nem estrelas por muitos dias, e continuando a abater-se sobre nós grande tempestade, finalmente perdemos toda a esperança de salvamento. Visto que os homens tinham passado muito tempo sem comer, Paulo levantou-se diante deles e disse: Os senhores deviam ter aceitado o meu conselho de não partir de Creta, pois assim teriam evitado este dano e prejuízo. Mas agora recomendo-lhes que tenham coragem, pois nenhum de vocês perderá a vida; apenas o navio será destruído. Pois ontem à noite apareceu-me um anjo do Deus a quem pertenço e a quem adoro, dizendo-me: “Paulo, não tenha medo. É preciso que você compareça perante César; Deus, por sua graça, deu-lhe a vida de todos os que estão navegando com você”. Assim, tenham ânimo, senhores! Creio em Deus que acontecerá do modo como me foi dito.” At 27:20-25

Recentemente descobri que existe mais de 1 bilhão de pessoas que se atiram nas redes sociais da internet buscando freneticamente um pedido de socorro. É um grupo muito grande de pessoas que estão à caça de companhia, ou ainda, querem exprimir a sua necessidade de encontrar alguém que possa compartilhar seus reclamos.

Estes navegadores utilizam a net como se fosse um grande consultório global, onde podem exprimir as suas crises existenciais, portanto cerca de 80%, ou seja, mais de 1 milhão de pessoas acabam por confessarem que estão desesperançadas.

A maioria não acredita mais em oportunidade de uma mudança de vida porque estão tão traumatizados pelas dores e vicissitudes experimentadas no caminhar da vida. Não há para estas mentes de gente tão esquizofrenizada pelos vícios, e aqui não são só as drogas, o álcool e o cigarro, mas o vício da televisão, da pornografia, e ainda a escravidão da maquinação diuturna de maus pensamentos.

Há muito movimento religioso e também de auto ajuda tentando dar um norte para estas pessoas, mas a maioria sente uma alma esvaziada de coisas boas, com tendências suicidas e acreditam mesmo que nunca experimentarão a vitória em qualquer atividade que se propuserem a fazer.

Isto fala de uma acentuada desesperança que se abate sobre tanta gente. Estes são semelhantes com os envolvidos no naufrágio de Paulo porque perderam a esperança, e o versículo 27, pinta com grandes letras o diagnóstico desesperador de cada um daquele navio: At 27:20: “Dissipou-se toda a esperança de salvamento”. Dissipou, acabou, frustrou, malogrou se toda a esperança.

As estatísticas dizem que há mais de 1 bilhão e meio de pessoas que se utilizam dos serviços de internet em todo mundo, no entanto, mais de 1 milhão de pessoas revelam a sua falta de esperança. É como o diagnóstico hoje do rebanho “cristão” em geral, mais da metade que tem uma vida religiosa, que freqüentam cultos não tem mais esperança. Não crêem mais nos sonhos e hoje não tem nem a coragem de contar para alguém ou assumir a posição de que perdeu sua esperança.

Mas eu tenho boas novas, Jesus pode e fará para aqueles que querem a restauração da esperança, Ele ressuscitará os sonhos.


A SENSAÇÃO QUE AS PESSOAS TÊM É QUE NÃO EXISTE MAIS ESPERANÇA PARA ENCONTRAR A LIBERTAÇÃO.

Tomando o exemplo do naufrágio de Paulo, que tipo de gente seguia naquele navio? Presos, inclusive Paulo, como está nos vss.1 e 2 do mesmo capítulo.

“Quando ficou decidido que navegaríamos para a Itália, Paulo e alguns outros presos foram entregues a um centurião chamado Júlio, que pertencia ao Regimento Imperial. Embarcamos num navio de Adramítio, que estava de partida para alguns lugares da província da Ásia, e saímos ao mar, estando conosco Aristarco, um macedônio de Tessalônica”.

Interessante, Paulo não está indo de primeira classe, está sendo conduzido à Roma como preso. De repente, o navio se destroça e de imediato a intenção dos soldados era que todos presos fossem mortos, para que nenhum deles pudesse empreender fuga nadando. At 27.42 Os soldados resolveram matar os presos para impedir que algum deles fugisse, jogando-se ao mar.

Que situação, o navio vai a pique, e a chance de fugir seria coibida pelas espadas dos soldados, isto significava que nem mesmo o naufrágio criava a possibilidade de serem livres, aí perdeu se toda a esperança completamente.

Atualmente há uma multidão incontável que já não tem mais esperança, aliás, vivem sem esperança, sem um sonho, sem um projeto de vida, são reféns da prisão chamada drogas, estão ainda acorrentados na escravidão do pecado, não conseguem tirar nem dos lábios a enfermidade, antes só confessam destruição, à primeira dor de estomago já imaginam como dizem eles, ái é úlcera, câncer, ai eu estou com as dez pragas do Egito. Gente que não acredita mais na esperança.

E nós que temos a esperança viva em nós, o que temos feito, chegamos à igreja e dizemos: tem pouca gente hem? Mas o que temos feito para mudar o quadro. Quanto tempo semanal tem tirado para levar a esperança aos desesperançados? Andamos com um folheto de evangelização na mão? Oramos quanto pelos perdidos? A nossa atitude de crente está gerando expectativa no incrédulo de conhecer a esperança? Qual foi a ultima vez que falamos de Jesus para alguém? A falta de ocupação nossa com o que é secular tem tirado a oportunidade de algum desesperançado retomar a esperança em Jesus.

OS FATOS ACONTECIDOS ACABAM POR GERAR UMA FALTA DE ESPERANÇA NO LIVRAMENTO.

O vs 37 diz que havia naquele navio 276 pessoas. Estavam a bordo duzentas e setenta e seis pessoas.

Já assistiu a cena de alguém no meio de uma tempestade, o desespero é grande, imagine 276 pessoas que experimentaram a fúria do Euro-Aquilão, um tufão de grande proporção que se abateu sobre o navio e isto gerou naquelas vidas a perda da esperança. Pelas circunstâncias não tinha como eles verem uma saída para escaparem com vida. O parecer geral era que nunca se livrariam daquele drama.

Estavam tão sobressaltados com o ocorrido, com a ansiedade que segundo Atos 27:33-36 a falta de esperança de um livramento, isto é de sair com vida daquela situação, que por 14 dias nem comer queriam aqueles homens. Pouco antes do amanhecer, Paulo insistia que todos se alimentassem, dizendo: Hoje faz catorze dias que vocês têm estado em vigília constante, sem nada comer. Agora eu os aconselho a comerem algo, pois só assim poderão sobreviver. Nenhum de vocês perderá um fio de cabelo sequer. Todos se reanimaram e também comeram algo.

E então Paulo cheio do Espírito Santo tomou pão e deu graças a Deus diante de todos e começou a comer. Um ato  restaurador dos animos para crerem que o livramento estava chegando. E atitude dele foi simples, partiu um pão e Deus graças na presença de todos.

Quantas vezes perdemos oportunidade de quando estamos com colegas da escola, da faculdade e do trabalho e nos assentamos a comer e esquecemos-nos de dar graças pelo que temos a mão para comer. Isto revela falta de fé, falta de testemunho, e a pessoas só recobram a esperança quando vêem alguém do grupo externar a fé e confiança no Senhor.

Quando assim agimos exteriorizamos a certeza do livramento, pois Deus é quem cuida de nós.



PIOR QUE NÃO TER ESPERANÇA DE LIBERTAÇÃO, PIOR DO QUE PERDER A ESPERANÇA DO LIVRAMENTO E SER SALVOS COM VIDA É PERDER A ESPERANÇA DA SALVAÇÃO.

Então praticamente tudo estava perdido, mas dentre aqueles homens havia um temente a Deus, e quando ninguém mais cria, porque diz o texto no VS. 20 que a esperança se dissipara.

Para aqueles náufragos não havia outra confissão. Já era. Mas Paulo temente a Deus e conhecedor do que Jesus é capaz de fazer traz uma declaração que abre a porta para que a esperança volte àqueles varões.

Em Atos 27:23 e 24 está a declaração: Pois ontem à noite apareceu-me um anjo do Deus a quem pertenço e a quem adoro, dizendo-me: Pois ontem à noite apareceu-me um anjo do Deus a quem pertenço e a quem adoro, dizendo-me:Paulo, não tenha medo. É preciso que você compareça perante César; Deus, por sua graça, deu-lhe a vida de todos os que estão navegando com você.
 

Uma pergunta se faz necessário: QUEM É O SEU DEUS? QUAL É O DEUS A QUEM VOCE SERVE?

Não é difícil dizer que serve a Jesus e que é propriedade dele, mas que tem feito por Jesus, pela sua causa. Porque a vida não é entregue totalmente a Jesus. Parece que Jesus esta inscrito no programa “Sua alma, minha vida” e está pulando miúdo para conseguir todos os requisitos para possuí-la. Por quê? Porque loteamos o nosso coração. Um quarto para isto, outro pedaço para aquilo e Jesus passa habitar em comodinho do fundo, no meio de tanta bagunça. No meio de tanta porcaria que injetamos pelas principais portas de entrada do nosso corpo, mais acentuadamente os olhos e ouvidos.

Creio que você não experimentou um naufrágio, mas com certezas já teve dias obscuros onde parecia mesmo que o sol não havia brilhado. De igual forma noites infindáveis de intensas trevas atravessamos ser experimentar nem sequer o brilho de uma estrela só. Quantas também não foram as tempestades que nos sobreveio, entretanto nós temos tido a felicidade de termos a esperança fundamentada, e se para você parece não haver mais esperança, nós queremos orar por você para que Cristo seja sua eterna esperança. Envie um email para pastorvanelli@gmail.com e estarei orando pela restauração da sua esperança e seus sonhos.




quarta-feira, 5 de janeiro de 2011

ALIMENTANDO SE DA PALAVRA DIARIAMENTE


Parece que ontem mesmo eu estava na igreja adentrando o novo ano em oração. Estivemos ali com os irmãos fiéis, aqueles que a gente sabe que pode contar, são os que andam ombro a ombro conosco, colunas da igreja, compromissados e que valorizam estar na Casa do Senhor.

Digo isto porque já é dia 5. E para aqueles que lêem a Bíblia diariamente já estamos no 5º.dia do Ano Bíblico. Cada um tem um estilo de leitura, uns lêem pela manhã, outros à noite, tem os que fazem a leitura de 3 capítulos do Velho e 2 do Novo Testamento. Enfim, cada um faz de acordo com o que melhor lhe convêm.

Eu tenho um jeito diferente de ler a Bíblia, penso que é o meu jeito porque não conheço mais alguém que faça assim, mas pode existir. Por exemplo, hoje é dia 5, então já li em Gênesis os capítulos 5, 15, 25, 35 e 45. E amanhã começarei pelo 6 e assim por diante, o que vale dizer que quando eu chegar no dia 10 eu já terei lido os 50 capítulos de Gênesis. Pode ser uma mania, mas é diferente, por exemplo, hoje no capítulo 5 reli a descendência de Adão. Um tratado genealógico que começa em Adão e vai geração após geração até chegar em Sem, Cam e Jafé, filhos de Noé.


Vi em 15 de Gênesis que Deus esforça Abrão animando-o com a promessa de um filho, em 25, outra lista genealógica e desta vez falando dos descendentes de Abraão e Quetura, pois Sara já tinha falecido em Hebrom, conforme está escrito em Gn 23; no capítulo 35 Jacó levanta um altar à Deus em Betel, cidade Luz, depois de enterrar todos os deuses estranhos debaixo do carvalho de Siquém, e por isso recebe de Deus a confirmação de que seu nome não seria mais Jacó, mas sim Israel. Que pena que muitos que lêem a Bíblia ainda estão em Siquém, e finalmente cheguei ao 45, onde nos 15 primeiros versículos uma história linda de José se revelando aos seus irmãos está narrada.

Se você atentou ao que escreví, hoje tive uma leitura deliciosa, com fatos tremendamente interessantes, com personagens centrais da história do livro dos princípios. É lógico que os capítulos 5 e 25, são um tanto fastidioso por se tratarem de genealogias, mas tudo o que está na Bíblia tem proveito.Sempre ouço gente comentar que pulou tal capítulo porque ali só tem genealogia. Não devemos fazer isto, tudo o que está na Bíblia tem um propósito e então devemos ler e reler.

Como está o seu ano bíblico? Tem lido a palavra diariamente? Paulo, o discipulador de Timóteo, foi muito feliz em ter um seguidor deste nível, justamente pelo fato que Timóteo obedecia suas orientações e em particular o que está descrito em I Timótéo 4:13a. “ Até a minha chegada, aplica-te à leitura;” e é de bom alvitre que se diga aqui que esta leitura recomendada por Paulo, era a leitura pública das Escrituras. E então você teria coragem de ir a uma praça e ficar lendo em voz alta a Bíblia?

Não, não é preciso, basta você se apegar à leitura em sua casa mesmo. Todo dia comer da Palavra e verá que crescimento espiritual. Mas é preciso ler mesmo, não pode brincar de “faz de conta que eu li”. É lógico que para exercitar na leitura diária da Palavra é preciso condutas disciplinares recomendáveis:

1) Não leia com televisão ligada; 2) Não leia deitado, você cochila logo e se perde; 3) Evite ler após as refeições, o seu corpo estará ocupado com outra função. 4)Procure um ambiente confortável onde você possa se instalar para a leitura; 5) Ore antes da leitura pedindo ao Espírito Santo revelação sobre a leitura proposta; 6) Anote as palavras desconhecidas e pesquise em um bom dicionário da língua portuguesa e também no bíblico.

Compensa ler a Bíblia porque ela mantém acesa a Lâmpada do nosso homem interior. É verdade que a Leitura Bíblica constante requer esforço e perseverança, mas com certeza é enriquecido quem assim realiza.

Insista. Não desista da leitura. Imagine a bíblia de um desistido fazendo um diário.

20 de janeiro –

Passei uma semana calma. Nas primeiras noites do Ano Novo, meu proprietário leu-me diariamente, mas agora parece que me esqueceu.

16 de fevereiro –

Hoje foi limpeza geral. Fui desempoeirada como outros objetos e delicadamente colocada no meu lugar.

24 de março –

Fui utilizada depois do almoço pelo meu proprietário. Ele analisou alguns trechos e levou-me ao culto.

08 de maio –

Hoje foi um dia duro de trabalho. Meu proprietário dirigiu um estudo Bíblico e teve que procurar vários versículos. Raras vezes os encontrava, mesmo estando todos no lugar de sempre.

01 de junho –

Hoje alguém colocou um trevo de quatro folhas entre minhas páginas.

29 de junho –

Fui colocada, juntamente com roupas e outros objetos, dentro de uma mala. Parece que estamos de viagem de férias.

10 de julho –

Ainda estou na mala, embora quase todos os outros objetos já tenham sido retirados.

15 de julho –

Estou novamente em casa, no meu velho lugar. Foi uma viagem cansativa. Não entendo porque tive que participar desta viagem.

10 de agosto –

Hoje fui utilizada pela esposa do meu proprietário. Ela escreveu a uma amiga e procurou um versículo para ela, pois seu pai tinha falecido.

20 de agosto –

Novamente fui desempoeirada.




PARE E REFLITA! SE A SUA BÍBLIA PUDESSE MONTAR O DIÁRIO DELA, QUE HISTÓRIA ELA CONTARIA? SERIA UMA HISTÓRIA DIFERENTE DA QUE VOCÊ LEU ACIMA?


sábado, 1 de janeiro de 2011

INICIO DE ANO, TEMPO DE BOAS ESCOLHAS.


Sempre no primeiro dia do ano nos retiramos para uma confraternização familiar, viagens, praia, divertimentos e muitas outras coisas que acabam nos massageando o ego, e isto é muito válido. Mas, principio de ano também deve ser encarado como um tempo de boas escolhas, isto é, escolhas pensadas, rebuscadas e que visem marcar um tempo com qualidade de vida material, familiar e espiritual. E para isto mesmo que as escolhas impliquem em distanciamentos dos nossos entes queridos, é preciso que sejam bem feitas e que resultem em vida salutar pessoal e extensiva aos que nos sâo caro.

Meu ilustre amigo João Cruzué nos brindou em seu blog Olhar Cristão, um texto muito elucidativo sobre a questão e com a devida aquiescência do autor, compartilho com meus leitores, Nas Campinas do Jordão.

A história de Ló é mais contextualizada a nossos dias do que pensamos. Ele era um homem justo. A própria Bíblia dá testemunho disso. O que aconteceu com ele e, principalmente com sua família, é um dos maiores exemplos deixado na história de Israel para admoestar a cada cristão de que a partir de uma escolha errada, existe a grande possibilidade de continuar fazendo outras escolhas erradas; a soma de todas elas via de regra atinge em cheio aquilo que mais se ama: a própria família.

Quando Abraão saiu de UR, na Caldéia, Ló escolheu acompanhar o tio. Quando Abraão decidiu descer ao Egito para resolver o problema da seca, Ló também desceu e depois subiu junto com o tio. Mas as promessas de Deus não se cumpririam na vida de Abraão, enquanto ele não se separasse totalmente da família. O mandamento de Deus era: Sai da tua terra, e da tua parentela, e da casa do teu pai, e vai para a terra que te mostrarei. Ele cumpriu a primeira parte: saiu da sua terra; no meio do caminho ficou sem o pai - cumpriu-se a segunda parte. A última condição aconteceu quando o tio tomou a iniciativa e propôs a separação, devido a circunstância do excesso de gado e as disputas entre os empregados dos dois.

Da separação em diante, começou uma sequência de escolhas erradas que culminaram na perda do gado, da casa e da própria família.

A primeira escolha errada foi os pastos da campinha do Rio Jordão; eram tão verdinhos e tão lindos que pareciam o jardim do Éden. Ló errou na escolha porque julgou pelas aparências. Se ele pediu tempo para pensar, deve ter comentado o caso com a família. Diante de uma oportunidade rara daquelas, só mesmo um louco faria outro tipo de escolha - ou alguém que orasse e tivesse comunhão com Deus o suficiente para ver além do horizonte daquele "Jardim do Éden". Escolher pelas aparências, confiando apenas nos próprios olhos, isto tem derrubado e destruído muitos crentes. Escolha de cônjuges errados, locais de moradia errados, universidades erradas, companhias erradas, ocupações erradas e até igrejas erradas. Não há mais volta depois de uma escolha errada. A cada grande escolha errada na vida, cabe um preço a ser pago.

Ló, possivelmente, não sabia as campinas faziam parte de um pacote maior complementado por uma sociedade moralmente caída que iria destruir sua família. Ele somente tinha olhos para a beleza dos pastos, que forneceriam o capim para o gado que se multiplicaria tanto ao ponto de torná-lo o homem mais rico do Oriente. Jesus advertiu duas coisas sobre isso: O que adianta o homem ganhar o mundo inteiro e perder a sua alma. Ou pior: perder a família? E falou do outro cuja herdade tinha produzido muito, a ponto de deixar escapar um pensamento: Minha alma, tens em depósito muitos bens: come, bebe e regala-te. Escolher mediante um juízo emitido apenas sobre coisas que chamam atenção pela bela aparência... o mesmo laço do passarinheiro que derrubou Ló e tudo quanto possuía, ainda funciona nos dias de hoje.

Depois da escolha do pasto, Ló foi convencido ou convidado a fazer parte da vida pública de Sodoma, servindo à porta de Sodoma, talvez para averiguar a intenção das pessoas que chegavam e saíam da cidade. É bem possível que fosse um cargo de muita honra, de reconhecimento, mas imagino que foi por causa disso que Ló não acompanhou os acontecimentos que se passavam dentro da sua casa. Estava ocupado demais para acompanhar o dia a dia de sua esposa e das filhas. Talvez o cargo que ocupava tivesse alguma relação com os genros delas. Um fato é inegável: a justiça de ló não estava presente no caráter do restante da família. Contextualizando: será que as ocupações que desempenhamos são tão grandes ao ponto de desconhecermos totalmente o que está moldando o caráter de nossos familiares?

Vou prosseguir no assunto. Vivemos em tempos que o maior lazer dos brasileiros, inclusive dos crentes, não as óperas sabão. Isto mesmo, as novelas que divulgam as novidades em matéria de consumo e comportamento de massas. De adultério em adultério, de fornicação em fornicação, de divórcio em divórcio, de esperteza em esperteza, será que nossos filhos e filhas, sobrinhos e netos, vão ficar imunes a tanto esgoto? Ou será que o apego excessivo (ou até normal) a estas coisas vão produzir lá na frente famílias destruídas como a de Ló? Reclame dentro da sua casa sobre isto... se muito provavelmente não vá enfrentar uma ferrenha oposição! Eu sei que cada família tem a sua cultura, e cada um cuida da sua casa, mas não é dessa forma que o "mundão" com seu esgoto penetra no caráter de nossos queridos?

A quinta escolha de Ló foi discordar do anjo quanto ao lugar de escape. O anjo de Deus mandou que ele escapasse para o monte. Mas Ló racionalizou. Discordou na instrução do mensageiro de Deus e pediu para que o lugar de escape fosse a cidade de Zoar. A mesma que era o portão de entrada da campina do Jordão. Ao chegar lá descobriu que corria risco de morte, e assim finalmente decidiu subir para o monte. Neste ponto, Ló se parece com Saul na rebeldia. Deus mandava uma coisa, e Saul fazia outra. O anjo de Deus mandou fugir para o monte, e Ló acabou indo para Zoar. Não acontece muito disso em nossos dias? A palavra de Deus instrui para fazer uma coisa, e no final há muitos que a relativizam, racionalizando, apresentando justificativas dizendo que antes era assim, mas que hoje não faz mal...

E por fim eu considero a sexta escolha, aquela que foi a pá de cal para destruir o restante da família de Ló. Pergunto: Porque razão, Ló não voltou para junto do tio, como aconteceu na parábola do filho pródigo? Foi um ato de soberba? Vergonha de ter perdido tudo? Não estava disposto a se humilhar por ter dado prejuízo a Abraão? Se Zoar era a entrada Sul da campina do Jordão, o tio não estaria cuidando do gado próximo àquela região?

O interessante, hoje, é que há um falso evangelho sendo pregado exaustivamente por aí insistindo no aspecto financeiro e econômico mais ou menos assim: "Crê no Senhor Jesus e ficarás rico, tu e a tua casa". Na minha opinião, estão fazendo publicidade da "Campina do Jordão" sem admoestar, propositalmente, no que elas se podem se transformar depois.