domingo, 20 de fevereiro de 2011

QUANDO TOMAMOS A DECISÃO CERTA, DEUS TORNA O SONHO EM REALIDADE


Quando a gente é pai, a visão que temos sobre os filhos é unilateral, ou seja, os vemos dentro do contexto da família original, amamos, acompanhamos, educamos e os assistimos com todo empenho, mas quando chegamos a condição de avô, a ótica muda diametralmente, porque agora já temos uma perspectiva da família que se estendeu, cresceu e caminha como segmento das origens, e então ficamos como a “coruja no toco” gabando e com atenção redobrada aos filhos dos filhos. Segunda feira quem veio passar a tarde com o Vônelli? Sophia, a sábia netinha dos olhos azuis. É lógico que todos os meus netos são lindos e amo estar com eles, mas o fato de segunda feira envolvendo a Sophia me inspirou para caminhar nesta postagem.

Veja, ver televisão é uma coisa, mas assistir um dvd evangélico infantil é outro departamento. A Sophia estava assistindo a história de Samuel, atenta como ela só. E fiquei observando as reações dela diante das cenas que iam surgindo quadro a quadro. E por causa disto, acabei por me embrenhar na história de Samuel e pus-me a pensar sobre o nascimento deste tão importante profeta.

Para chegar no nascimento de Samuel, tive que me esbarrar no histórico da sua vida inicial e então entra aí personagens como Elcana, Ana e a tal Penina. Li demoradamente acerca do nascimento de Samuel, meditei e ponderei o capitulo 1 de I Samuel, mais especificamente nos versículos 1 a 10, e numa segunda consideração os de número 19 e 20.

O texto é muito elucidativo acerca da família de Elcana, mostrando inclusive as dificuldades experimentadas, mas, de forma tão especial também as bênçãos alcançadas.

A narrativa acerca de Ana é um clássico de como é possível alcançar um milagre se houver perseverança na fé e dirigir-se a Deus independente das provações e provocações. A benção de Deus era companheira de Ana diuturnamente, mas ela amargava a dor de ser estéril, de não poder ter filhos, mas nem esta mágoa e vergonha levou-a desistir da tentativa de vencer o obstáculo da sua esterelidade.

Ela podia contar com o seu esposo Elcana, que além de amoroso, era muito temente a Deus e tinha por costume de anualmente ir oferecer adoração e sacrifícios ao Senhor. Não obstante a sua vida espiritual, Elcana tinha sério problema dentro de casa com uma outra companheira de nome Penina, pois isto tornava difícil o relacionamento, porque Penina, apesar de uma mulher abençoada, ela se portava como um instrumento de tristeza e ferimento para Ana.

A Bíblia fala que Penina provocava a Ana continuamente a fim de irritá-la porque não tinha filhos. Isso acontecia ano após ano. Mesmo Ana subindo de contínuo a casa do Senhor para adora-lo, sua rival a provocava e Ana vivia aos prantos e não comia.

Qual é a nossa reação quando enfrentamos problemas de relacionamentos mesmo com nossos irmãos? Será que agüentamos um ano? Ou já deixamos o lugar que congregamos em busca de um ambiente melhor? Ana muito nos ensina com sua persistência. Ela independente do problema físico tinha ainda que suportar o desafeto de uma mulher que convivia com ela . Será que nós suportaríamos? Qual seria a nossa atitude? Como reagiríamos diante de uma mulher que pratica indelicadezas fundamentada em um problema físico que poderíamos vir a ter?

Muitas vezes o nosso problema acaba tirando o foco principal do intento que temos para com Deus, queremos dar o melhor para Deus, mas nos estribamos nas limitações e problemas e acabamos fazendo como Ana. Ela subia anualmente para adorar a Deus, mas punha a sua esterilidade na frente do seu estímulo de adorar.

Em vias de regra quando nos deparamos com problemas, acabamos por fazê-los maiores do que realmente eles são, e desfocamos os nossos olhos das maravilhosas bênçãos que Deus disponibiliza para nós. Era justamente isto que acontecia com Ana. Ela tinha um marido amoroso e cheio de bondade, sendo muito cuidadoso com sua esposa e cheio de amor, além de temer a Deus, e anualmente Elcana levava Ana até Silo para a adoração. Considerando este conjunto de fatores, vemos o quanto abençoada era esta mulher, mas ela tinha ainda um problema na vida a vencer: a sua esterelidade.

E qual seria então o caminho para que Ana obtivesse a vitória sobre o dilema que a afligia? Tomar decisão.E Ana decidiu que o problema que até então parecia insolúvel, poderia ser mudado com a intervenção sobrenatural de Deus. Toda decisão implica em uma ação, ou seja, fazer algo no reino físico, para que seja efetivado no espiritual. O versículo 10 do capítulo 1 de I Samuel declara “e levantou-se Ana, e, com amargura de alma, orou ao Senhor, e chorou abundantemente”.

Ana e Elcana haviam chegado mais uma vez em Siló para adorarem ao Senhor, se alimentaram, e logo após ela toma esta atitude. O versículo 11 diz que ela fez um voto ao Senhor, que se Ele concedesse a ela um filho, ela o daria a Eler por todos os dias da sua vida.

Que voto bem fundamentado, que postura corajosa, uma mulher decidindo que o fruto do seu ventre seria um varão separado para o Senhor. Muitos dos nossos sonhos são abortados quando ainda estamos gerando, porque alcançado a benção, começamos a rever o que iríamos fazer com eles, talvez o Senhor se contentasse em usufruir do sonho apenas no domingo, quando fossemos a igreja.

Lembro me de uma pessoa que aproximou se de mim certa vez e disse:”pastor, tenho um sonho de ter um veiculo especial, que eu pudesse usá-lo a serviço da obra de Deus”, logo fui dizendo, querido Deus não lhe pediu nada, sim, completou ele, “mas eu quero fazer assim”. Oramos ali juntos, fizemos um decreto e a oração de concordância. Não muito tempo depois, lá estava! Que  maravilha de veiculo! Era o que tinha de melhor na época. Passado um bom tempo, tinha um carro chique, destes de fazer babar nas proximidades da igreja, perguntei ao diácono de plantão, de quem é? E ele respondeu: “ o abençoado trocou aquele veículo que usava na obra por este carrão”. Subi para o púlpito aquele dia com uma dor tremenda no peito, esperei por uma justificativa, o tempo passou e nada. O filho do sonho, havia sido abortado, e nunca mais aquela vida foi a mesma.

Por isso falei que Ana fez o voto certo. O meu filho Senhor te servirá todos os dias da sua vida, e ele será Seu. Preste atenção não estou dizendo aqui que vivemos um tempo onde se faz votos para conquistar isto ou aquilo. Um voto só deve ser feito se houver um pedido de Deus. Lembra de Paulo em Atos 18:18? Por que um homem daquele teria que fazer um voto? Não havia razão e isto gerou implicações.

Mas voltando a Ana, e como fez ela este voto? Derramou se na presença do Senhor demoradamente(v.12). Justamente, e demorava não porque Deus dependeria do tempo gasto na oração, na adoração para atender lhe o pedido, mas porque era a primeira vez que ela entrava na presença do Senhor com um espírito decidido. Ela se posicionara que doravante não seria mais uma mulher atribulada, sofredora e cheia de impossibilidades.

Sua decisão, declarava que daquele momento em diante ela seria o receptáculo do milagre de Deus. Sua forma de pedir foi tão diferente, pois ela colocou a alma neste negócio, que até o sacerdote teve a por embriagada.

Tem gente que tem medo de se expor diante de Deus e dos homens para alcançar o seu intento, o seu sonho, o desejo do seu coração, então prefere manter o garbo, a postura, o estilo, e então o sonho vai ficando sempre para o futuro, para mais tarde. Ana entregou se ao que queria, decidiu buscar, tomou o nome de bêbada, mas, o mesmo que lhe disse isto, depois de aferir a sua convicção do que buscara, teve que declarar:”vai em paz, e o Deus de Israel te conceda a petição que lhe fizeste.”(vs17).

O que te aflige amado leitor? Você tem tido uma ótica somente sob o prisma dos impedimentos que o diabo lhe mostra? Você tem sobre a sua vida uma Penina que só lhe fere, que só lhe abate, dizendo que a benção não é para você? É hora de tomar uma decisão certa. Faça como Ana, tome um posição tão forte no reino terrestre que abale o reino espiritual, e o seu sonho se tornará realidade. Demore se em adoração, não olhe para os lados, não se preocupe com os que te observam, extravase-se em seu espírito diante do Pai, gere o sonho, cuide dele, não o aborte, e Deus lhe dará o seu Samuel. Por causa da sua decisão, a de andar com Cristo, Deus tornará o seu sonho em realidade.


quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

NA PRESENÇA DE DEUS, ELE NOS DÁ DO QUE TEM.



Uma das musicas de Marcos Witt, gravada em 1994, sempre mexeu com o meu coração. "Temprano yo te buscaré". Uma canção linda, mas que abre o versejar deste salmista tão empenhado na musica evangélica com uma das frases de maior sentido para o cristão: a busca de Deus logo pela manhã, conforme o Salmo 63.

E é sobre isto que quero falar hoje, não necessariamente sobre a hora da busca de Deus, mas de um tempo para buscar a Deus, estar a sós com Ele. Isto é muito importante para a vida cristã. Nenhum crente pode estar bem sem uma conversa pessoal com Deus diariamente. Jesus é um exemplo claro disto. Em Lucas capítulo 11.1 Ele estava orando em um certo lugar. Seus discípulos aguardam o para lhe fazer uma petição, mas o fato principal é que o Mestre tinha sempre um tempo separado para uma intimidade com o Pai.

Aquela atitude de Jesus em estar em separado para uma conversa com Deus fala de quanto é importante um período reservado para estar a sós com o Pai. Geralmente sempre que passamos um período na presença do Senhor, nossas atitudes pós oração são mais acertadas, as nossas decisões tem mais peso, porque saímos da presença de Deus com convicções de que as escolhas a serem feitas tem o sim e o amém Dele.

Jesus passou uma noite toda orando para de manhã escolher os seus discípulos, então isto nos fala de sempre o que está por trás de um bom relacionamento com o Pai, de um tempo separado com Deus, alcançaremos melhores resultados nos nossos intentos diários. Além disso, pessoas sob nossa influência acabam por também ansiarem pela experiência, partindo do fato que acabam nos vendo ou sabendo da nossa vida de oração. Isto aconteceu com os próprios discípulos de Jesus que atentando para os seu costume de orar, assim também desejaram aprender e praticar, tanto que esta era a petição que fizeram ao Senhor: ensina-nos a orar.

O livro de Atos dos Apóstolos narra um experiência fenomenal que os cristãos experimentaram, porque estando a igreja reunida em oração obtiveram um resultado inexplicável. Atos 4:24-30 fala do clamor à Deus de um povo que estava na sua presença. A intimidade da igreja reunida com Deus acabou por desatar uma unção sobrenatural, através da resposta do Senhor àquela oração feita naquele lugar. ”Tendo eles orando, tremeu o lugar onde estavam reunidos; todos ficaram cheios do Espírito Santo e, com intrepidez anunciavam a palavra de Deus. (Atos 4:31). É válido fazer um curso de oratória ou retórica sagrada, lembro me do especialista nesta matéria, Dr. Dario Sallas do Chile, mas só o curso nada valerá, é preciso amar ficar a sós com Deus.

A recompensa em amar a comunhão com Deus acaba trazendo resultados tremendos, como ficar pleno do Espírito Santo. O texto de do segundo capítulo de Atos fala de algo maravilhoso: “ Ao cumprir se o dia de Pentescostes, estavam todos reunidos no mesmo lugar;...e todos ficaram cheios do Espírito Santo e passaram a falar em outras línguas, segundo o Espírito lhes concedia que falassem”.(At 2:1-4). Este ficar a sós com Deus acabando gerando uma espécie de introspecção avaliativa do que estamos cheios, e então somos impelidos a limpar a área para que o Espírito encha em plenitude o espaço até então ocupado por tantas coisas que não procedem do Senhor. O homem comandado pelo natural, que não abriu a cancela do coração para a entrada do cavalheiro Espírito Santo está carregado de problemas (Pv 12.21), tristeza (Jo 16:6), Inquietação (Sl 88.3), bebida (Ez 23.33), caminhos pessoais (Pv 14:14) e trevas (Lc 11.34-36).

É sempre fascinante a experiência de estarmos em um culto onde há manifestação do poder de Deus, e vemos irmãos trazendo eloquentes pregações, outras rompendo em louvores e adoração, pois isto retrata gente que extravasa tudo o quanto se encheu na presença do Pai, mas não podemos viver de assistência, temos que nos envolver também.

Lembro me quando ainda pequeno, meu pai todos os dias à tarde ele nos chamava na sala, éramos em quatro irmãos e ele nos perguntava como foi o dia, o que tínhamos feito, etc. Ele nos falava coisas edificantes e finalmente enfiava a mão no bolso e tirava uma ou duas balas brancas de coco(zanovello, uma bala famosa de Itapira-SP), e nos dava. Eram poucas balas, mas era tudo o que ele tinha.

Assim é quando ficamos na presença do Pai, Ele nos dá tudo do que Ele tem. Há uma passagem da bíblia que não me canso de pensar nela e seu resultado. Um homem que tirou tempo fará ficar na presença do Senhor e depois de 40 dias desce do monte com o rosto brilhando. Moisés recebe um pouco da gloria que Deus tinha e seu rosto resplandecia, mas ele não sabia do fulgor que envolvia sua face. Toda transformação, unção, poder e posse das promessas de Deus para a nossa vida, é resultado do tempo que passamos na presença de Deus.

Deus é garladoador dos que o buscam, e está interessado que cada servo seu seja um instrumento em suas mãos, mas isto só é possível mediante do investimento em tempo aos pés do Senhor. Temos por principio dizimar corretamente os valores que recebemos, mas quase sempre esquecemos de dizimar o tempo de vida diária, 1.440 minutos de vida o Senhor nos dá todos os dias, e Jesus na sua infinita graça acabou fazendo um desconto violento quando reunidos com os seus discípulos e os apanhou dormindo e lhes disse:”Nem uma hora sequer vigiaram comigo?”(M6 26:40

As grandes coisas, mistérios ocultos que não sabemos podem ser anunciados pelo próprio Deus àqueles que o invocar, conforme narra o profeta Jeremias, capitulo 33.vs. 3. Agora é a hora, buscai o Senhor enquanto se pode achar. Tire um tempo para ficar com Deus e receba dele tudo o que Ele tem.

Então, quer seja pela manhã como diz a musica de Marcos Witt, ou em seu horário oportuno, separe um tempo para ficar com Deus e desfrute das delicias da sua presença.