terça-feira, 9 de agosto de 2011

ADORAÇÃO E A ÚLTIMA CHAMADA







"E cantavam um cântico novo, dizendo:Tu és digno de tomar o livro, e de abrir seus selos; porque foste morto, e com o teu sangue compraste para Deus homens de toda a tribo, e língua, e povo, e nação." Apocalipse 5:9

Adoração é o tema no qual tenho trabalhado nos últimos vinte anos. Mais do que um tema, adoração me desafia a um estilo de vida que é próprio dos filhos de Deus, conforme João 4:23: Mas virá a hora, e de fato já chegou, em que os verdadeiros adoradores adorarão o Pai no Espírito e em verdade: porque são esses os adoradores que o Pai procura”. Os princípios bíblicos que tenho aplicado a minha vida, têm gerado profundas experiências que me levam a querer conhecer mais sobre o assunto. Como fruto desta busca, quero compartilhar algumas descobertas preciosas feitas no livro do Apocalipse.

DUAS LINHAS: ADORAÇÃO E JUÍZO

Para entender um pouco melhor Apocalipse, é interessante notar duas situações que se repetem constantemente ao longo do livro. Uma delas refere-se a adoração, seja no céu seja na terra. A outra trata dos juízos divinos sobre a terra, os homens, etc. Por exemplo:

"Os vinte e quatro anciãos prostravam-se diante do que estava assentado sobre o trono, e adoravam o que vive para todo o sempre; e lançavam as suas coroas diante do trono, dizendo:

Digno és, Senhor, de receber glória, e honra, e poder; porque tu criaste todas as coisas, e por tua vontade são e foram criadas". Apocalipse 4:10-11

"E foram soltos os quatro anjos, que estavam preparados para a hora, e dia, e mês, e ano, a fim de matarem a terça parte dos homens". Apocalipse 9:15

A adoração é ministrada diante do trono, ora pelos quatro seres viventes e os vinte quatro anciãos, ora por um incontável exército de anjos, ora por homens de toda tribo, língua, povo e nação. O registro bíblico sugere-nos um momento único, jamais imaginado por qualquer um de nós, de extrema beleza e glória, quando toda criatura que há no céu, e na terra, debaixo da terra, e no mar oferecem estrondosa adoração àquele que está assentado no trono e ao Cordeiro Jesus!

Quase que paralelamente à adoração segue a linha dos juízos, culminando no capítulo vinte com o juízo final.

LEÃO: SÍMBOLO DE AUTORIDADE

"E eu chorava muito, porque ninguém fora achado digno de abrir o livro, nem de o ler, nem de olhar para ele. E disse-me um dos anciãos: Não chores: eis aqui o Leão da tribo de Judá, a Raiz de Davi, que venceu, para abrir o livro e desatar os seus sete selos."

Apocalipse 5:4-5

Tento me colocar no lugar do apóstolo João diante de tantas revelações e da grande responsabilidade de registrar tudo o que via e ouvia, sem descartar as fortes emoções que certamente o acompanhavam a cada instante. No caso do texto acima, nosso herói "chorava muito por não haver alguém digno de abrir o livro". Deve ter sido um momento de intensa frustração e desespero... Por fim, um dos anciãos consola João anunciando ao Senhor, simbolizado na figura de um leão - o Leão da tribo de Judá - representando governo e autoridade, que ao vencer todos os inimigos, tornou-se o único ser no universo digno de abrir o livro! Que maravilhoso deve ter sido para João o soar daquele anúncio... Talvez seria como voltar no tempo e contemplar o triunfo da cruz. Não podemos nos esquecer que este Senhor poderoso venceu a todos os inimigos na cruz, como "leão". Quanto mistério há na cruz... Pois nela Jesus venceu tanto como cordeiro, quanto como leão. Diante destes inimigos abaixo, sua postura foi a de um leão implacável:

ü o pecado

ü a carne

ü a velha natureza

ü a lei

ü o mundo

ü as doenças

ü o diabo

ü principado e potestades

ü outros mais

Após vencer na cruz, ao terceiro dia Jesus ressuscitou e ascendeu aos céus. E os portais eternos se abriram para a chegada do Rei da glória, o Senhor forte e poderoso na batalha que vive para sempre e tem toda autoridade no céu e na terra!

Pr. Adhemar de Campos

Nenhum comentário: